InternetData CenterAssinante

'Com consumo consciente, não teremos desabastecimento', diz vice-presidente da Acats

Em época de coronavírus, supermercados pedem para clientes não estocarem mercadorias
'Com consumo consciente, não teremos desabastecimento', diz vice-presidente da Acats
Foto: Rafaela Custódio/Portal Engeplus
Por Lucas Renan Domingos Em 17/03/2020 às 14:43

Os mercados só ficarão desabastecidos se o consumidor não comprar com consciência. É esta a mensagem que a Associação Catarinense dos Supermercados (Acats) está passando para a população. Por conta do agravo dos casos de coronavírus no Brasil, a quantidade de consumidores aumentou consideravelmente nos estabelecimentos. Nas últimas horas, em Criciúma, virou comum a cena de carrinhos cheios, mas a recomendação é para que os clientes mantenham a calma.

Na noite dessa segunda-feira, dia 16, a Acats realizou uma reunião em Florianópolis para debater o tema. Conforme Nazareno Dorneles Alves, vice-presidente da Acats Regional Sul, o setor está acompanhando de perto o aumento repentino do consumo.

“Nossa orientação é que os clientes não façam estoque, porque isso, sim, vai gerar desabastecimento. O que acontece é que alguns produtos levam dias para que haja uma reposição, é normal. Então, se as pessoas começarem a estocar, não vai ter tempo para que um novo carregamento chegue e vai faltar. Com consumo consciente, não teremos desabastecimento”, destacou Alves.

O vice-presidente afirma que a Acats está em contato constantes com os fornecedores de mercadorias. “Eles nos falam que, caso o consumo siga dentro da normalidade, não devemos ter problemas com as reposições. O único produto que pode haver isso é o álcool em gel, porque ele já não é vendido em grande quantidade ao longo dos meses e agora a demanda aumentou muito”, apontou.

Tempo real: as principais mudanças em Criciúma e região com o avanço do coronavírus

Higienização interna

Para evitar a proliferação do vírus, os supermercados também estão intensificando a higienização em suas instalações. “Orientamos os estabelecimentos para limpar os carrinhos, caixas, máquinas de cartão de crédito e outros equipamentos com frequência. Nos caixas de autoatendimento os funcionários devem pedir para que os clientes mantenham uma distância e após uma compra finalizada, também o equipamento é higienizado”, contou.

Outras medidas já comuns nos supermercados recebem maior atenção. “No manuseio dos alimentos já obedecemos recomendações da viligilância sanitária no dia a dia, mas reforçamos aos nossos associados para que cobrem ainda mais isso dos seus colaboradores”, acrescentou o vice-presidente.

“Nossa principal preocupação é realmente o consumo elevado, que, neste momento, é desnecessário. Volto a frisar, nossos Centros de Distribuição estão abastecidos, os estoques também. Os consumidores precisam ter essa consciência e solidariedade para evitar o desabastecimento”, reforçou,