InternetData CenterAssinante

Ciclistas fazem novo protesto para pedir ciclovia em Criciúma e homenagear o menino Mateus Fernandes

Grupo se reuniu no local do acidente que vitimou o adolescente e pedalaram pela Centenário
Ciclistas fazem novo protesto para pedir ciclovia em Criciúma e homenagear o menino Mateus Fernandes
Foto: Lucas Renan Domingos/Portal Engeplus
Por Lucas Renan Domingos Em 24/06/2020 às 21:25

A bicicleta pintada de branco e pendurada em um poste na avenida Centenário simboliza o pedido de paz e segurança e maior atenção aos ciclistas. Desde o início de 2020, as reivindicações pela implantação de uma ciclovia na principal via da cidade de Criciúma se tornou frequente. O assunto voltou a ganhar força nessa terça-feira, dia 23, depois da morte de Mateus Fernandes, de 13 anos, que foi atropelado por um ônibus enquanto andava de bicicleta. Nesta quarta-feira, dia 24, praticantes do esporte de toda região voltaram a realizar uma manifestação.

O grupo se encontrou no local do acidente que vitimou o adolescente e saiu em pedalada pela avenida Centenário. “Vamos fazer parte do trajeto que a gente deseja que a ciclovia tenha. Nossa intenção é que ela vá dos Nações Shopping até a Unesc. E hoje vamos até sair aqui do local do acidente até o terminal do Bairro Próspera e depois retornar até o bairro Pinheirinho. É uma homenagem para o Mateus. Infelizmente, de um mal temos que tirar uma lição, vamos ver se o poder público agiliza o projeto e inicie a ciclovia. Prometeram para o ano que vem, mas não dá para esperar tanto”, destacou João Virtuoso, um dos organizadores do protesto.

Antes da partida, os ciclistas realizaram uma oração conduzida pelo padre Maike Grapiglia, que também é adepto do ciclismo e participou da manifestação. Como forma de ilustrar o luto pela morte de Mateus, os participantes também amarraram uma fita preta nos braços e balões nas cores em preto e branco nas bicicletas.

“Com a ciclovia, o acidente poderia ter sido evitado. A bicicleta, na realidade, começa sempre com uma brincadeira, mas é um esporte e um transporte alternativo que está crescendo. O grupo que eu participo tem menos de cinco anos e já tem mais de 150 participantes. Tem muitos de nós que utiliza a avenida Centenário diariamente, daqui vão para Siderópolis, Içara, para ir trabalhar. A ciclovia nos daria bastante segurança”, comentou Ari Canbruzzi.

Corredores presentes no ato

Quem circula pela avenida Centenário já tem notado que a via também ganhou a presença constantes de pessoas que praticam a corrida. Foi por isso que um grupo de corredores de Criciúma participou da manifestação dos ciclistas. Assim como as bicicletas, os corredores sentem o perigo de praticar esporte na avenida sem a segurança necessária.

“Nada mais justo do que unir força com eles em busca deste benefício. A ciclovia daria tanto a segurança para quem anda de bicicleta, quanto para quem corre. Diferentemente dos ciclistas, que utilizam o sentido correto da avenida, nós corremos geralmente na contramão, para ter o campo visual. Mesmo assim quando saímos para a calçada quando estamos fazendo os treinos, notamos que os ônibus não diminuem a velocidade e passam bem rente a calçada e assusta”, afirmou o professor de corrida Ricardo Fernandes.

Um novo protesto, aliada a uma ação beneficente, também está marcado para acontecer no próximo domingo, às 9 horas, novamente em Criciúma. O grupo sairá do Parque das Nações e percorrerá ruas da cidade. “Vamos aproveitar para fazer um novo passeio para homenagear o Mateus, que é sobrinho de um membro da comissão que está pleiteando a ciclovia, e também ajudar o João Marcos, um menino paraplégico que estamos fazendo uma paella beneficente. A inscrição é R$ 20 reais, ganha uma máscara e, no fim do passeio, ganha uma pella delivery”, finalizou Virtuoso. Na pedalada desta quarta-feira, a estimativa da organização foi que mais de 800 ciclistas tenham participado do ato.