InternetData CenterAssinante

‘Aqui em Criciúma não foi tão grave’, afirma Salvaro sobre ciclone que atingiu o estado

Nenhuma ocorrência teve vítimas e a Defesa Civil monitora áreas de risco
‘Aqui em Criciúma não foi tão grave’, afirma Salvaro sobre ciclone que atingiu o estado
Foto: Thiago Hockmüller/Portal Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 02/07/2020 às 08:26

O deslocamento de um ciclone extratopical para o mar provocou rajadas de vento que atingiram 95 km/h na madrugada de quarta-feira, dia 1º, em Criciúma. Apesar da força do vento, o prefeito da cidade, Clésio Salvaro, afirmou que os danos não foram tão graves no município. 

Criciúma registrou quedas de árvores e danos na rede elétrica. Nesta quinta-feira, dia 2, 400 unidades consumidoras ainda estão sem energia na Capital do Carvão. “Aqui em Criciúma não foi tão grave, mas o que foi atingido os órgãos deram uma resposta muito rápida, temos energia em praticamente toda cidade”, afirmou em entrevista ao jornalista João Paulo Messer, da Rádio Eldorado.  

A Defesa Civil do município atuou na remoção de árvores, desobstrução de vias públicas e no levantamento e monitoramento de áreas de risco. Em dois dias, o órgão atendeu ocorrências em virtude das fortes rajadas de vento, causadas pelo ciclone extratropical que atingiu Santa Catarina. Nenhuma ocorrência teve vítimas. Os atendimentos foram prestados com o auxílio da Celesc e do Corpo de Bombeiros.

Conforme o relatório da Defesa Civil de Criciúma, as ocorrências foram nos bairros Vera Cruz, Próspera, São Cristóvão, Michel, Boa Vista, Operária Nova, Centro, Mina Brasil , Renascer , Santa Bárbara, São Luiz, Mineira Nova ,Jardim Angélica, Rio Maina e divisa com o município de Siderópolis. Dentre as demandas, esteve o rompimento de rede elétrica energizada e queda de árvore em rede de alta tensão.

“Foram dois dias de preocupação e tensão, tentando fazer os atendimentos da forma mais rápida possível com a dedicação da equipe para voltar à normalidade”, ressaltou o coordenador municipal de Defesa Civil, Dioni Borba. Para casos de ocorrência, o número de atendimento é 199 ou 193.