InternetData CenterAssinante

Unesc entrega projetos de Esgotamento Sanitário de Palmeira e Cerro Negro

Municípios poderão receber recursos para Sistema de Tratamento de Esgotamento Sanitário
Unesc entrega projetos de Esgotamento Sanitário de Palmeira e Cerro Negro
Foto: Reprodução
Por Redação Engeplus Em 14/12/2019 às 11:45

A Unesc segue auxiliando no desenvolvimento urbano dos municípios catarinenses. Desta vez, o Parque Científico e Tecnológico (Iparque) entregou, entre o final de novembro e o início de dezembro, os projetos de Engenharia de Esgotamento Sanitário dos municípios de Palmeira e Cerro Negro, na região serrana. Os projetos resultaram da parceria entre Unesc e o Consórcio Intermunicipal Serra Catarinense (Cisama). 

Técnicos do Centro de Engenharia e Geoprocessamento (Cegeo) e do Centro de Pesquisa e Estudos Ambientais (Cpea), do Iparque, elaboraram os Projetos de Engenharia de Esgotamento Sanitário dos municípios de Palmeira e Cerro Negro. “Nestes projetos constam os estudos de concepção, o projeto geral com área de cobertura total, os projetos de rede coletora, das estações elevatórias e da estação de tratamento de efluentes (ETE), além dos projetos estrutural e elétrico”, explicou o coordenador do Centro de Pesquisa e Estudos Ambientais do Instituto de Pesquisas Ambientais (IPAT) do Iparque, professor e analista ambiental Sérgio Galatto

Segundo Galatto, os projetos vão facilitar o desenvolvimento da região. “Com estes projetos, os municípios conseguirão buscar recursos juntos aos órgãos de fomento para a implantação do Sistema de Tratamento de Esgotamento Sanitário”, apontou o coordenador. 

Os projetos foram montados com base nos princípios da Lei Federal 11.445/2007, que estabelece a Política Nacional de Saneamento Básico. “Paralelo ao atendimento a lei, a implantação do SES traz benefícios para a saúde pública, reduzindo o potencial de ocorrência de doenças relacionadas ao saneamento básico e contribui ainda com a melhoria da qualidade dos mananciais, por meio da redução dos lançamentos inadequados de esgoto in natura nos corpos hídricos”, pontuou Galatto. 

Colaboração: assessoria de imprensa Unesc

Leia mais sobre: