InternetData CenterAssinante

Satc assina termo de cooperação com WND Brasil

Objetivo é fortalecer estudos sobre a internet das coisas
Satc assina termo de cooperação com WND Brasil
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 05/06/2019 às 10:26

Um passo a mais para entender o funcionamento da internet das coisas (Internet of Thinks - IoT) e preparar os acadêmicos para este cenário que avança mundialmente é uma das ações que a Satc está implementando. A instituição firmou um termo de cooperação técnica com a WND Brasil, que é a operadora da empresa francesa Sigfox, líder no mundo em serviços de comunicação na área de IoT.

“Essa é uma tecnologia que está crescendo muito. É forte nos Estados Unidos e vem despontando aqui no Brasil. Seguimos com o compromisso de buscar sempre a inovação. Nosso objetivo é estudar melhor, entender o funcionamento e buscar projetos aplicáveis”, ressaltou o professor Anderson Diogo Spacek.

A WND já possui em Criciúma uma rádio base que permite o monitoramento de objetos e dispositivos via nuvem, remotamente. Conforme Spacek, a Satc já recebeu kits de desenvolvimento da WND e o termo de cooperação prevê ainda apoio técnico nos desenvolvimentos, além da instalação de uma rádio base dentro da instituição quando for necessário ampliar a rede.

Hoje, a Satc já utiliza SigFox no projeto de pesquisa desenvolvido com as cooperativas de energia Coopera e Cermoful. “Já usamos no projeto aplicado ao monitoramento de equipamentos na rede de distribuição e temos também outros projetos submetidos ou aguardando submissão com esse objetivo”, afirmou o professor. Ele enfatiza a tendência de evolução muito rápida de aplicações para IoT.

Uma das características do processo é que a transmissão de dados concentra letras e números, ficando mais barata. Essa forma de comunicação de dados é desenvolvida pela SigFox e transmitida pelas antenas de rádio base. “Com e evolução da tecnologia, o monitoramento online de variáveis como temperatura, pressão, por exemplo, traduz com exatidão o acompanhamento de determinadas condições. A Satc está desenvolvendo pesquisas utilizado essas antenas”, destacou o coordenador do Centro Tecnológico Satc (CTSatc) Luciano Bilessimo.

Leia mais sobre: