InternetData CenterAssinante

Programa Centelha: impulso para criação de novas empresas

Ideias precisam ser submetidas até o dia 29 de agosto
Programa Centelha: impulso para criação de novas empresas
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 26/08/2019 às 13:03

Em 2013, antes da participação no Sinapse da Inovação, a Simples Dental era uma ideia que precisava de impulso para crescer. Agora, seis anos depois, é a maior empresa de softwares odontológicos da América Latina e com mais de 33 mil usuários.

“A primeira grande diferença que o Sinapse fez para a Simples Dental foi, lógico, o recurso financeiro porque a gente não tinha receita e não conseguia fazer quase nada. Mas, também conseguimos visibilidade e uma série de outras boas consequências”, conta um dos sócios do Simples Dental, Ramon da Silva Maciel. “Logo em seguida também participamos do Startup SC e esse conjunto nos ajudou muito quando tivemos a ideia de buscar grandes parceiros. Já tínhamos isso como diferencial”, acrescenta Maciel.

A startup desenvolveu um software de gestão de clínicas e consultórios odontológicos. Uma ferramenta que auxilia dentistas a controlar todo o financeiro, estoque e atendimentos de seus pacientes, automatizando uma série de tarefas, documentações e procedimentos do dia a dia.

Em 2019, o Sinapse da Inovação rompeu as divisas de Santa Catarina e serviu de inspiração nacional com o lançamento do Programa Centelha, que além de aqui no Estado está com inscrições abertas em outros sete.

Últimos dias

O período de inscrições para o Programa Centelha em Santa Catarina está chegando ao fim. As ideias precisam ser submetidas até o dia 29 de agosto. Ao fim do processo de seleção, 28 projetos inovadores serão escolhidos para receber R$ 60 mil cada e ainda acompanhamento técnico. O valor investido, no total, no Estado, é de R$ 1,68 milhão.

O Programa Centelha em Santa Catarina é executado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado (FAPESC). Podem participar pessoas físicas, maiores de 18 anos, e que não possuam empresa no nome na mesma área a fim do projeto que será apresentado. “Se aprovada, a pessoa física deverá constituir uma empresa com sede no Estado para contratação e recebimento dos recursos financeiros”, explica o presidente da FAPESC, Fábio Zabot Holthausen.

A intenção do Programa Centelha é estimular a criação de empreendimentos inovadores, a partir da geração de novas ideias, e disseminar a cultura do empreendedorismo inovador em todo território nacional, incentivando a mobilização e a articulação institucional dos atores nos ecossistemas locais, estaduais e regionais de inovação do país. “A intenção é abranger o maior número possível de catarinenses e contribuir para que suas ideias possam sair do projeto e, em consequência, estimular o desenvolvimento econômico de Santa Catarina”, acrescenta o presidente.

“Programas como o Centelha dão a oportunidade de tirar do papel aquela ideia inovadora e colocar em prática soluções que vão trazer mais qualidade de vida à população. Esta é a missão da FAPESC, vinculada à SDE (Secretaria de Desenvolvimento Econômico), e que tem um papel fundamental de incentivar ações para ciência, pesquisa e inovação que por meio de repasse de recursos dissemina o conhecimento em todas as regiões do Estado”, complementa o secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Lucas Esmeraldino.

Dos R$ 1,68 milhão em recursos, R$ 1,1 milhão vem da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e R$ 580 mil da FAPESC.

O Centelha é promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e pela FINEP, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), operada pela Fundação CERTI e executada em Santa Catarina pela FAPESC.

Inscrições

As inscrições podem ser realizadas no site sc.programacentelha.com.br, assim como o edital e o cronograma completo.

Foto: Foram realizados eventos de divulgação do Programa Centelha em todas as regiões do Estado

Colaboração: Francieli Oliveira / FAPESC