InternetData CenterAssinante

Possível caso de H1N1 é investigado em Nova Veneza

Jovem de 25 anos já recebeu alta e está sob acompanhamento da Vigilância Epidemiológica
Possível caso de H1N1 é investigado em Nova Veneza
Foto: Erasmo Salomao/Ministério da Saúde
Por Thiago Hockmüller Em 03/05/2019 às 10:17

Depois de um caso confirmado de H1N1 em Tubarão, onde a vítima foi tratada, mas acabou falecendo em decorrência de outras doenças, um possível quadro da doença é investigado em Nova Veneza. Uma jovem de 25 anos foi internada no último sábado, dia 27, no Hospital São Marcos, com os sintomas da doença, recebeu o tratamento e está liberada, mas com acompanhamento domiciliar da equipe epidemiológica do município.

Os exames já foram realizados para diagnosticar se de fato o quadro apresentado por ela foi em decorrência da gripe. Segundo o gerente regional de Saúde, Fernando de Fáveri, os dois casos mostram que o vírus está na região. “Os sintomas inciaram na quinta-feira (dia 25) e sábado (dia 27) ela internou para iniciar o tratamento. Ela não apresenta febre e estamos aguardando os exames para identificar se era H1N1”, explica.

O caso de Tubarão ocorreu em janeiro. Um homem de 52 anos foi internado no Hospital Nossa Senhora da Conceição para realizar um procedimento cirúrgico. Durante os exames, ele foi diagnosticado com H1N1, recebeu o tratamento, foi curado, mas morreu em função de outras doenças, segundo a Gerência Regional de Saúde, após apuração da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE).

Sábado é Dia D

Neste sábado, ocorre em todo o país o Dia D de vacinação contra a gripe. Na Região Carbonífera serão 92 salas de vacinação à disposição das pessoas enquadradas como público-alvo. São elas: crianças com idade entre 1 e 5 anos, grávidas em qualquer período gestacional e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), trabalhadores da saúde, indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades, jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e também presidiários.

“Primeiro lembrando que mesmo tendo dinheiro, os laboratórios não conseguem produzir a quantidade necessária de vacina, por isso são feitos os grupos de risco. Assim cria-se critérios levando em conta as pessoas mais vulneráveis para contrair a doença. Neste sábado estaremos percorrendo todos os municípios da região e acreditamos que amanhã vamos ultrapassar os 60% de pessoas imunizadas para até o final da campanha atingir a meta”, projeta.

Até o momento, cerca de 40 mil pessoas já realizaram a dose da vacina na Região Carbonífera. A meta é vacinar no mínimo 95% das 122.507 pessoas listadas como público-alvo. A campanha segue até o dia 31 de maio, em Santa Catarina a expectativa é que pouco menos de 2 milhões de pessoas sejam vacinadas.