InternetData CenterAssinante

IGP coleta resíduos de lagoa para apurar irregularidades praticadas por funerária em Laguna

Pescador flagrou um líquido avermelhado sendo despejado na Lagoa Santo Antônio dos Anjos
IGP coleta resíduos de lagoa para apurar irregularidades praticadas por funerária em Laguna
Foto: Agora Laguna
Por Thiago Hockmüller Em 10/08/2019 às 18:55

Órgãos ambientais e a Polícia Civil seguem apurando um caso de despejo irregular de esgoto na Lagoa Santo Antônio dos Anjos em Laguna. A ação era praticada por uma funerária que teve a sala de preparação de corpos interditada pela Fundação Lagunense do Meio Ambiente (Flama) nessa sexta-feira, dia 9.

A operação envolve Vigilância Sanitária, Polícia Militar Ambiental, Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), Fundação Lagunense do Meio Ambiente (Flama), além da Polícia Civil e o Instituto Geral de Perícias (IGP). A sala foi interditada depois que técnicos despejaram produtos químicos na tubulação e detectaram que os reagentes desaguaram na Lagoa Santo Antônio dos Anjos.

Na manhã deste sábado, dia 10, o perito criminal da área de meio-ambiente do IGP, Miguel Colzani, e a delegada Carolina Quintana Guedes, responsável pelo caso, estiveram no local para a coleta de resíduos. “Foram coletadas amostras para fazer os testes e depois passar os resultados. A Flama interditou parcialmente o estabelecimento, na sala de preparação dos corpos, porque o esgotamento está irregular, indo direto para lagoa”, explica a presidente da Flama, Deise Xavier Cardoso.

O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) também já havia coletado amostras. Ainda não há uma previsão de quando sairá o resultado que vai identificar se o material descartado na lagoa pode provocar danos ambientais.

Na última quarta, um pescador de Capivari de Baixo emitiu uma denúncia relatando ter visto um líquido avermelhado sendo despejado na lagoa. “A denúncia se pautou nisso. Supostamente o líquido tem coloração próxima de sangue, mas não há certeza disso. Com certeza o esgotamento estava irregular e precisamos saber qual o material estava sendo despejado na lagoa”, pondera Deise.

Conforme apurado pelo Portal Agora Laguna, o advogado que representa a funerária afirmou que a situação é delicada e que deve ser aguardado os laudos periciais antes de se fazer qualquer julgamento.