InternetData CenterAssinante

Chegada do homem à Lua completa 50 anos neste sábado

Estados Unidos venceram a corrida espacial no dia 20 de julho de 1969
Chegada do homem à Lua completa 50 anos neste sábado
Foto: Divulgação/Nasa
Por Redação Engeplus Em 20/07/2019 às 10:01

A missão Apollo 11, que levou seres humanos a caminhar pela superfície da Lua pela primeira vez, durou 8 dias, 3 horas, 18 minutos e 35 segundos, desde o lançamento do foguete Saturno 5, no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, até o pouso da cápsula que trouxe Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins de volta à Terra. E neste sábado, dia 20, a jornada dos norte-americanos completa 50 anos.

O civil Neil Armstrong, que tinha sido piloto de teste, era o comandante da missão Apollo 11; o comandante do módulo lunar Eagle - Águia, em inglês - era o piloto da Força Aérea dos Estados Unidos Michael Collins e o piloto do Eagle foi Buzz Aldrin, também militar da Força Aérea. O Eagle tocou o solo da Lua às 16h18, no horário da Flórida, mas só às 22h56 da noite, 23h56 aqui no Brasil, Neil Armstrong saiu do módulo lunar e, com o pé esquerdo, deu aquele pequeno grande passo.

Tecnologias desenvolvidas pelos programas espaciais

Mais de 3 mil jornalistas de 56 países acompanharam o lançamento da Apollo 11 no centro espacial e levaram informações atualizadas ao público ao redor do mundo, cerca de um bilhão de pessoas. Naquele 20 de julho de 1969, os Estados Unidos venciam a corrida espacial, que fazia parte da Guerra Fria travada contra a União Soviética. Apesar de ser soviética a primeira sonda não tripulada a tocar a Lua 10 anos antes, foi a Apollo 11 a primeira missão a levar à Lua e trazer de volta, em segurança, três astronautas.

A chegada do homem à Lua, no dia 20 de julho de 1969, só foi possível, porque a tecnologia permitiu. Equipamentos usados pelos astronautas naquela época, hoje fazem parte do nosso dia a dia. Entre eles, os computadores de bordo de aviões e carros; a comida armazenada a vácuo, que dura muito mais tempo; mantas térmicas, com aquela aparência de papel laminado, muito usadas no fim de maratonas e em resgates; sistemas de amortecimento contra terremotos; e baterias recarregáveis para aparelhos auditivos.

Chegar à Lua trouxe conhecimentos sobre a formação da Terra e do Sistema Solar, mas frustrou quem imaginava que o satélite seria uma fonte de recursos. A última missão tripulada à Lua foi a Apollo 17, de 1972. Desde então, volta e meia alguém fala-se em explorar o terreno lunar ou fazer turismo. Até agora, são opções pouco viáveis.

Já que não existem motivos para explorar comercialmente a Lua, ao que tudo indica está na hora de usar o satélite como um trampolim. A Nasa anunciou que astronautas vão voltar a pisar na Lua em 2024 e, em 2028, deve instalar uma colônia sustentável, para permitir a missão Marte, já na década seguinte.

Pegada de Armstrong na Lua vira selo comemorativo

A foto da pegada do astronauta norte-americano Neil Armstrong na primeira visita tripulada à Lua é estampa de selo comemorativo dos Correios. A imagem reproduzida pelos correios foi autorizada pela Nasa, agência espacial norte-americana.

A tiragem do selo será de 240 mil unidades e tem valor de R$3,75 a unidade. Os Correios prometem vender as peças nas principais agências de todo o país e também em sua loja virtual.

O lançamento do selo ocorrerá neste sábado em Belo Horizonte (Espaço do Conhecimento da UFMG, às 18h30), no Rio de Janeiro (na Fundação Planetário, às 14h40), e em São Paulo (no planetário do Parque Ibirapuera, em horário não confirmado). Haverá no dia 31 de julho lançamento no Planetário de Brasília. Os Correios não informaram sobre lançamentos em outras cidades.

Por: Agência Brasil

 

 

Leia mais sobre: