InternetData CenterAssinante

Celesc explica a alta nas faturas de energia

Maior consumo e variações nos tributos são as principais causas das contas mais caras
Celesc explica a alta nas faturas de energia
Foto: Arquivo Engeplus
Por Thiago Hockmüller Em 24/01/2019 às 09:57

As constantes reclamações do aumento nas faturas de energia motivou explicações da principal distribuidora no Estado, a Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc). A explicação dada pela empresa é o elevado consumo registrado nas últimas semanas, que fez com que somente em janeiro a demanda batesse três vezes o recorde de consumo e em três dias seguidos: 5 de janeiro (4.875MW), 16 de janeiro (4.989,82 MW) e 17 de janeiro (5.030MW). O último recorde havia sido registrado em 12 de dezembro do ano passado, com 4.826MW.

Segundo a Celesc, desde agosto de 2018 não há reajuste na tarifa de energia elétrica. Este é o mês que recebe as correções e por isso a orientação é que os consumidores fiquem de olho no histórico do consumo e no período de apuração da leitura na fatura recebida. “Quando for avaliar a variação de consumo, o cliente deve, inclusive, comparar a leitura atual no medidor do seu imóvel com a leitura apresentada na fatura: a diferença entre os números indica o quanto já foi consumido de energia em kWh desde que o leiturista passou pelo seu imóvel”, destaca o gerente do Departamento de Regulação da Celesc, Vânio Moritz.

Tributos podem variar

Outra explicação dada pela Celesc está nos tributos. Se por um lado a tarifa não sofreu aumento, os tributos cobrados na conta de luz podem variar mensalmente ou conforme a faixa de consumo. Estes são os casos ICMS, Cofins, PIS e Cosip.

Variação do ICMS é de acordo com a faixa de consumo:

Baixa Renda – isento

Residencial – até 150kWh de consumo a alíquota é de 12%.

Para o volume consumido acima dessa faixa, a alíquota passa para 25%.

Rural – até 500kWh de consumo, a alíquota é de 12%.

Para o volume consumido acima dessa faixa, a alíquota passa para 25%.

Demais classes (industrial, serviços, iluminação pública, comercial e outros): alíquota única de 25%.

O PIS e Cofins, repassados ao Governo Federal, contribuem para a manutenção do sistema de seguridade social (Cofins) e para financiar o pagamento do seguro desemprego e do abono salarial (PIS) para quem recebe remuneração mensal de até dois salários mínimos.

Eles variam mensalmente conforme a composição das receitas e despesas da concessionária, que estão diretamente associadas à sua atividade fim, que é a distribuição de energia elétrica. A metodologia de cálculo da alíquota é determinada por norma estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A cobrança da COSIP (Contribuição para o Custeio de Serviços de Iluminação Pública) depende da legislação de cada município. Na área de concessão da Celesc, há municípios que cobram a COSIP por faixa de consumo e outros pela largura do terreno).

Todos os tributos são cobrados na conta de luz e repassados pela Celesc aos órgãos de direito. “Em sua conta, o consumidor paga os custos referentes aos serviços de geração, transmissão e distribuição de energia, além dos tributos e encargos setoriais. A parcela que fica com a Celesc é de apenas 13,8% do total para garantir o custeio dos investimentos necessários e custo operacional”, destaca Moritz.

Orientações

Ao receber sua fatura, é de fundamental importância que o consumidor avalie o histórico do consumo e o período de leitura. Essas informações são básicas para que ele verifique se o seu consumo efetivamente cresceu e se, no período de leitura, ele fez uso de energia elétrica.

Moritz lembra que alguns consumidores reclamam que ficaram fora de casa por dias ou que estiveram de férias em dezembro e que, por isso, não poderia haver a alta do consumo. “Ao observar o período de leitura, ele vai poder certificar se os dias que esteve fora efetivamente estavam dentro do período que o seu consumo foi lido”.

Além desses aspectos, o consumidor também precisa ficar atento para o impacto do uso dos principais equipamentos elétricos na sua conta de luz. 

Com informações da Secom 

Leia mais sobre: