InternetData CenterAssinante

Casa feita com isopor é a primeira na região da Amrec

Residência está sendo construída em Siderópolis
Casa feita com isopor é a primeira na região da Amrec
Foto: Divulgação
Por Jessica Rosso Em 15/08/2019 às 18:30 - Atualizado há 1 mês

Com 215m², a casa localizada na rua José Frasseto, no Centro de Siderópolis, tem atraído olhares curiosos. Isso porque ela é a primeira residência feita com isopor a ser construída na região da Amrec segundo a empresa Ecolife - Empreendimentos Sustentáveis, responsável pela obra.

A residência é do enfermeiro Anderson Feltrin da Silva e da sua esposa. O casal optou por construir uma casa num primeiro momento convencional, mas depois de pesquisarem na internet, descobriram um sistema diferenciado. “Eu li uma reportagem sobre o assunto e ficamos bastante interessados nisso”. O casal  se aprofundou sobre o tipo de obra, nas suas vantagens e desvantagens.

 

Percebemos que praticamente só tem vantagens. Tem a questão do tempo de construção, que é muito mais rápido, a questão de ser ecológico, pensando na sustentabilidade, não faz sujeira e utiliza pouca água durante a construção, tem conforto acústico, conforto térmico e anti umidade.

De olho na obra

Por ser uma obra não muito comum na região, a casa de isopor tem recebido muitas visitas desde que as obras iniciaram.  Arquitetos, professores e alunos também já foram até o local. "Muitas pessoas têm vindo aqui para conhecer. Eu não venho aqui todo dia, mas nos finais de semana sim. Já aconteceu de eu estar aqui e me deparar com pessoas entrando e levarem um susto comigo. E já aconteceu de eu levar um susto com as pessoas. Eles perguntam sobre a casa e eu começo a explicar, é legal, eu gosto de compartilhar essas coisas". O proprietário ainda brincou: "se eu cobrasse R$1 por visita dava para ajudar a pagar a casa", sorriu. 

Foto: proprietário, Anderson Feltrin da Silva.

Informação x construção

Silva conta que foi um desafio encontrar uma empresa que trabalhasse com esse tipo de sistema na região. " Encontrei algumas que eram fora daqui. Próximo da região não tinha conseguido contato pela internet. Achei um construtor no Rio Grande do Sul e outro no Distrito Federal", disse. Por conta disso, o proprietário chegou a desanimar no início, pois acreditava que seria um investimento caro. "Por conta da distância das empresas e também porque como não tinha ninguém aqui na região, naquele momento imaginei que não encontraria mão de obra qualificada", explicou.

Foi por uma questão de sorte que Silva encontrou a empresa com quem fechou contrato."Encontrei a sede deles que era em Florianópolis e agora fica localizada em Joinville. Visitamos obras dessa empresa para verificar em loco a questão da qualidade do material e como era. Sentimos segurança e resolvemos fazer a casa dessa forma", lembrou. Empolgado com o andamento da obra que inicialmente está prevista para ser entregue em 120 dias, o proprietário admitiu que está ansioso para ver o resultado. "Acho que vai ficar melhor do que esperávamos", resumiu. Segundo ele, a obra demoraria o dobro de tempo para ser construída se fosse feita de concreto. "Desconheço uma obra que seja tão rápida quanto essa", pontuou.

O empresário Marcelo Silveira Cardoso explicou que o sistema construtivo de painéis monolíticos, mesmo sendo uma novidade na região, já existe a mais de 30 anos em todo o mundo. O sistema esta credenciado na norma de desempenho e na norma de concreto armado e assegura uma maior resistência tanto estrutural quanto aos interperes de clima, dando-lhe conforto térmico e acústico, garantindo qualidade com uma vida útil maior que o convencional. 

"Quando se fala de isopor, lembra algo frágil e inflamável, mas no sistema de painéis monolíticos o isopor por norma é classe F retardante à chama, ou seja o material não se torna inflamável",explicou. 

Segundo o empresário, o sistema iniciou na Itália, o que faz com que muitas pessoas que conheçam o país conheçam o material (painéis Monolíticos ). "Enquanto isso, na região não é muito comum, pois ainda existe uma resistência cultural, que ao longo dos anos já está sendo quebrada e as pessoas ja estão investindo e aprovando as construções nesse sistema de painéis monolíticos. Principalmente com construtoras qualificadas e que tenham o pleno conhecimento da construção no sistema de painéis monolíticos", afirmou.