InternetData CenterAssinante

Caminhoneiros recuam e greve está descartada

Categoria negocia reajuste da tabela do frete de acordo com o preço do diesel
Caminhoneiros recuam e greve está descartada
Foto: Thiago Hockmüller/Arquivo Engeplus
Por Thiago Hockmüller Em 23/04/2019 às 09:56

Representantes dos caminhoneiros descartaram a possibilidade de greve, que vinha sendo discutida para ocorrer no dia 29 de abril. A decisão ocorreu após uma reunião com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que durou quase cinco horas.

Nessa segunda-feira, dia 22, em entrevista para o Portal Engeplus, o coordenador social do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Vale do Araranguá (Sinttravale), Jair Ferraz, já havia praticamente descartado a possibilidade de greve. “Sempre trabalhamos pela negociação para evitar danos. É descartada a greve. Conversamos ontem (segunda-feira) a noite com o pessoal do Sul e de São Paulo. Vamos para a negociação, o Governo se empenhou em ajudar a categoria”, explica.

O principal ponto da discussão está na melhor fiscalização do cumprimento da tabela do frete. Somado a isso, os caminhoneiros também reivindicam o reajuste da tabela conforme as alterações no preço do diesel. Pela proposta, a planilha da tabela de piso mínimo sofrerá um reajuste toda vez que o percentual de aumento no diesel ultrapassar os 10%. “A negociação é para este tipo de situação. Se o óleo subir, a tabela de frete precisa subir também. Estão tentando achar uma maneira de trabalhar nos dois de maneira engrenada”, explica Ferraz.

Segundo informações da Agência Brasil, a reunião com o ministro contou com cerca de 30 representantes de 11 entidades da classe, além de um grupo de caminhoneiros autônomos. Uma das decisões é que os próprios caminhoneiros vão ajudar na fiscalização da tabela do frete. E as reclamações relacionadas ao descumprimento da planilha serão encaminhadas ao ministério que as repassará à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).