InternetData CenterAssinante

Avenida Luiz Rosso será a próxima a receber revitalização

Expectativa é de que trabalhos iniciem na segunda quinzena de janeiro
Avenida Luiz Rosso será a próxima a receber revitalização
Por Lucas Renan Domingos Em 27/11/2019 às 15:25

Depois da revitalização da avenida Universitária e da avenida Centenário, essa última ainda em andamento, a Prefeitura de Criciúma já definiu qual a próxima importante via da cidade que irá receber melhorias. A partir da segunda quinzena de janeiro de 2020, a avenida Luiz Rosso deverá receber nova pavimentação asfáltica. 

O trecho de aproximadamente 11 quilômetros liga o bairro São Luiz a BR-101. “Na primeira etapa ela ficará praticamente toda nova. Vai ficar faltando apenas um pedaço de 300 metros que vai ser feita depois do binário da avenida Santos Dumont”, afirmou a secretária de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana de Criciúma, Kátia Smielevski

Quanto a avenida Centenário, a prefeitura anunciou uma mudança nos trabalhos. Antes a troca da pavimentação asfáltica partiria do bairro Próspera, seguiria até a Terminal Rodoviário de Criciúma e retornaria. Na sequência, a revitalização seguiria do terminal até o bairro Pinheirinho. “Agora vamos tocar direto até o bairro Pinheirinho e depois retornamos fazendo o outro lado”, disse a secretária. 

Outras avenidas da cidade seguem sendo alvos da prefeitura para serem revitalizadas. Uma delas é a avenida Luiz Lazzarin, que liga a rua Álvaro Catão ao bairro Rio Maina. “É um desejo nosso, mas ainda não temos data marcada para iniciar. Estamos fazendo esforços para que o Governo do Estado realize a quarta etapa do Anel Viário. Sem ela, muitos caminhões pesados tem utilizado a Luiz Lazzarin para chegar até Nova Veneza ou a região próxima da Unesc. Precisamos primeiro tirar esse fluxo da Luiz Lazzarin para depois colocar nova pavimentação asfáltica”, acrescentou. 

Kátia aponta que a revitalização das avenidas da cidade tem como principais objetivos dar maior conforto e segurança aos usuários e reduzir custos de manutenção. “Não podemos deixar que o bem público se deteriorar. Precisamos preservar a pavimentação para que a base não seja prejudicada com a infiltração de águas e depois o custo para recuperar fique mais alto”, completou a secretária.