InternetData CenterAssinante

Após fortes chuvas, famílias estão desabrigadas em Criciúma

No bairro Quarta Linha cerca de oito famílias dormirão em abrigo
Após fortes chuvas, famílias estão desabrigadas em Criciúma
Foto: Rafaela Custódio
Por Rafaela Custódio Em 24/05/2019 às 23:21

As chuvas fortes que caíram sobre a região Sul de Santa Catarina afetaram diversas famílias. Em Criciúma, no bairro Quarta Linha cerca de oito famílias estão desabrigadas e passarão a noite em um abrigo improvisado no salão da igreja da comunidade. 

Voluntários trouxeram comidas, travesseiros, roupas, colchões, cobertores e estão cuidando das famílias. Daiane Leodegaria, de 28 anos, precisou sair de casa, pois a morada estava cheia de água. “Os voluntários me trouxeram para cá. Vim com meus filhos de cinco e nove anos”, explica. 

Ela conta que está é a quarta enchente que enfrenta. “É uma situação difícil, amanhã que vou saber o tamanho do prejuízo”, pontua.

Já Nagila Moreira Cunha, de 25 anos, está no abrigo com seu esposo e três filhos. “A água estava pegando no meu joelho. Botei alguns móveis para cima, mas a água entrava por tudo”, comenta. 

O 28º Grupo de Artilharia de Campanha (GAC) está nas ruas ajudando os moradores. O comandante da unidade, coronel Sousa Neto, explicou que uma equipe de resgate composta por mais de 50 militares trabalharam no bairro Quarta Linha, em Criciúma e também nos municípios de Sangão e Morro da Fumaça. Os militares foram aos locais alagados fazendo o resgate de famílias com os caminhões 5ton do Exército, um dos poucos que conseguiu chegar em áreas de difícil acesso.

A vereadora Geovana Benedet Zanette (PSDB) está no local ajudando a comunidade. “Desde as 17h30 estamos envolvidos com o bairro. Percorremos as ruas e vimos que estava aumentando a água. Foi tudo muito rápido. A comunidade é solidária e já conseguimos o salão para abrigar as pessoas que precisaram”, explica. “Neste sábado vamos analisar os prejuízos. Não sabemos a situação real”, acrescenta. 

Neste sábado, dia 25, a partir das 7 horas, a comunidade estará nas ruas para limpar as casas e analisar os prejuízos.

Leia mais sobre: