InternetData CenterAssinante

Aplicativo de reciclagem une catadores de resíduos em Criciúma

Cataki é utilizado em todo país e tem o objetivo de ajudar os profissionais da reciclagem
Aplicativo de reciclagem une catadores de resíduos em Criciúma
Foto: Thiago Hockmüller
Por Rafaela Custódio Em 16/07/2019 às 09:22

O que é feito com os resíduos produzidos por você e sua família? Pensando em ajudar pessoas com o descarte correto dos resíduos e também aos profissionais que trabalham com reciclagem, foi lançado o aplicativo Cataki

De acordo com o aplicativo, cada brasileiro produz cerca de 400kg de resíduos por ano. Desses, as pessoas reciclam apenas 12kg. “Estou cadastrado no aplicativo há oito meses. Muitas pessoas nos ligaram e nos chamaram para recolher os resíduos. Trabalho com reciclagem há três anos e é o sustento da minha família”, conta Luiz Felipe Rodrigues

Rodrigues é morador do bairro Laranjinha, em Criciúma. Segundo ele, sua renda é de R$ 800 por mês. “Trabalho ainda com minha esposa, dois filhos e mais um rapaz. Com a coleta seletiva da prefeitura da cidade diminuiu um pouco as chamadas, mas estamos sempre dispostos a buscar os resíduos. É o nosso sustento e o aplicativo já nos ajudou bastante também”, relata. “Hoje, saímos nas ruas catando alumínio, eletrônicos, baterias e metais”, acrescenta. 

O presidente da Associação Criciumense de Catadores (Acrica), Rogério Barbosa relata que, atualmente, são 23 associados e seis pessoas trabalham diariamente no local. “A associação funciona há seis anos. A maioria dos profissionais trabalham catando resíduos nas ruas de Criciúma. Os funcionários que trabalham aqui diariamente ficam separando os produtos de forma correta”, comenta. “O aplicativo é uma opção para a população também, mas a coleta seletiva também passa pelos bairros”, completa. 

Rosane Piazole comenta que também já foi acionada pelo aplicativo. “Estou há dois meses cadastrada e já me chamaram. Moro em Içara e trabalho com meu marido. Nós dois trabalhamos todos os dias nas ruas buscando os resíduos. Ele que empurra o carrinho e vamos tentando encontrar o que nos serve. Pegamos metal, plástico, papel, móveis e alumínio”, conta. “Trabalhamos há 10 anos com reciclagem e é o sustento da minha família. Dá para pagar as contas”, acrescenta. 

Tem materiais recicláveis em casa? Quer destinar de forma correta? Além da coleta seletiva de Criciúma, o aplicativo é uma opção.

Leia mais sobre: