navegue nos blocos da capa

Geral

Lipoenxertia

Técnica usa gordura do próprio corpo para restaurar a jovialidade do rosto

O procedimento não precisa ser repetido com frequência

11
JAN
2018
| 14h11
14h11
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Você sabia que é possível utilizar gordura do próprio corpo para modelar áreas como a face e os glúteos? Chamada de lipoenxertia, a técnica é aplicada por cirurgiões plásticos e bastante conhecida por possibilitar o ganho de volume e levantamento das nádegas, mas tem ganhado cada vez mais espaço entre pessoas que desejam restaurar a jovialidade do rosto.

Há cerca de 40 anos, não era possível realizar cirurgias plásticas como a lipoaspiração, por exemplo. As técnicas deste tipo de cirurgia evoluíram muito nos últimos anos e, hoje, é possível fazer isto e muito mais. Até por volta de 15 anos atrás também não era falado em lipoenxertia da face, mas, agora, o procedimento está ficando mais conhecido e chama a atenção dos pacientes por algumas facilidades.

O médico cirurgião plástico Samuel Orige explica que a lipoenxertia é a transferência de gordura do paciente de um local para outro e trata-se de um procedimento menos invasivo do que a lipoaspiração, por exemplo. Uma quantidade de gordura pode ser retirada do abdômen ou coxas para ser aplicada na área desejada, mas o procedimento de retirada não chega a ser uma lipoaspiração, já que a quantidade é pequena.

“O processo de recuperação também é muito rápido; no caso da face, o paciente pode retomar suas atividades dentro de três a sete dias. Além disto, não ficam cicatrizes na área enxertada, apenas nos locais onde a gordura for retirada, mas também são cicatrizes mínimas”, afirma Orige.

Ele também destaca que há um mito em torno da questão absorção da gordura. No caso de outros procedimentos estéticos para o rosto, como a aplicação de ácido hialurônico, a substância é totalmente absorvida pelo corpo dentro de um a dois anos após o procedimento, sendo necessário repetí-lo com frequência.

“Já no caso da lipoenxertia facial pode ser necessário mais de um processo de preenchimento com gordura, depende de cada paciente, mas não é algo que necessite de repetições periódicas porque o corpo não a absorve por completo. Outra grande vantagem são os resultados naturais, duradouros e permanentes após a taxa inicial de absorção da gordura”, garante.

Por que na face?

Orige lembra que a lipoenxertia pode ser realizada em diversas áreas do corpo, mas os melhores resultados ocorrem quando ela é feita na face, onde o processamento da gordura é melhor. Assim como a maioria das cirurgias plásticas, a lipoenxertia também é mais procurada pelas mulheres. Elas estão na faixa etária dos 40 anos em diante e buscam melhorar a qualidade da pele, restaurar a jovialidade, já que, com o passar dos anos, os tecidos vão murchando e as bolsas de gordura facial vão sendo absorvidas pelo próprio corpo.

“A face precisa de volumização para manter esta jovialidade, por isto a lipoenxertia é mais indicada. A aplicação da gordura do próprio paciente em locais específicos devolve esta volumização dos tecidos da face e a mantém por mais tempo”, completa o cirurgião plástico. No rosto, a lipoenxertia é bastante aplicada para restaurar o contorno da mandíbula, aumentar a “maçã do rosto”, diminuir rugas na têmpora e contorno dos olhos e preencher o “bigode chinês”.

Colaboração: Vanessa Amando / NB Comunicação

Leia mais sobre: lipoenxertia
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Balneário Rincão terá primeiro berçárioRock Laguna acontece nesta sexta-feira com maratona de onze horas de músicaPolícia Civil prende autores de furtos em empresas da regiãoObra do Canal Auxiliar avança em direção à Santa BárbaraTrês pessoas ficam feridas em acidente na SC-485Acidente deixa trânsito congestionado na BR-101