Geral

Santa Catarina

Governo do Estado mantém redução no ICMS para produtores catarinenses

Medida serve para suínos vivos, erva-mate, alho e madeira serrada em bruto até 2019

15
ABR
2018
| 11h00
11h00
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Aires Mariga/Epagri

Para incentivar a competitividade e promover o agronegócio em Santa Catarina, o governador Eduardo Pinho Moreira sancionou esta semana, o decreto prorrogando a redução do ICMS para suínos vivos, erva-mate, alho e madeira serrada em bruto até 31 de março de 2019. “Este benefício tem importância especial para os produtores independentes e para a agricultura familiar. Este é um dos compromissos do nosso Governo e, para isso, estamos adotando medidas que promovam o agronegócio, setor essencial da economia catarinense”, afirmou o governador.

A ação deve favorecer mais de 30 mil produtores em todo o Estado, de acordo com os dados da Secretaria de Estado da Agricultura e Pesca (SAR). Ao todo, são 13.120 criadores de suínos, 704 de alho, 7.500 de erva-mate e 8.764 produtores de madeira e atividades de apoio.

Equiparação

<div class="item-pagextt-news xtt-news-theme itemscope itemtype= xtt-article-body" http:="" schema.org="" article"="" style="box-sizing: border-box;">

“A redução no ICMS desses produtos equipara as alíquotas com aquelas praticadas em outros estados”, explica o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli. Para suínos vivos a redução na base de cálculo foi de 50% na saída interestadual e a taxa é de 6% no período. No caso do alho nobre roxo nacional in natura, a diminuição do imposto chega a 90%, passando de 12% para 1,2%. Para a erva-mate, o decreto prevê a concessão de crédito presumido de 5% nas saídas destinadas a outros Estados em que a alíquota seria de 12%.

Em relação à madeira serrada em bruto, desde que venha de reflorestamento, a base de cálculo nas saídas tributadas a 17% passam a ser de 6,3%; para as saídas cuja alíquota era de 12%, a tributação diminui para 4,5%; e para as saídas em que o imposto era de 7%, a taxa cai para 2,6%.

Colaboração: Michelle Nunes
 

 

    Leia mais sobre:
    Fala Leitor
    Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
    imagens recentes no Portal
    VÍDEO: Baixa Terapia comemora sucesso de vendas e anuncia sessão extraEmoção marca evento da Casa GuidoEstudantes do IFSC Criciúma se preparam para competição no CanadáEleições para a Câmara Mirim iniciam a todo vaporShow do Imóvel traz dicas de acabamentos no quadro Arquitetura & NegóciosO que faz uma personal organizer e como ela pode me ajudar?