navegue nos blocos da capa

Fotos & Fatos

Morro da Fumaça

Caminhada reúne amantes da fotografia

Pessoas de idades e profissões diferentes participaram do encontro na Estação Cocal

21
AGO
2017
| 09h04
09h04
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Um grupo de 45 pessoas caminhou por cinco quilômetros pelos trilhos e estradas do distrito Estação Cocal, de Morro da Fumaça, nesse sábado, dia 19. A 3ª Camminata Fotografica: nos Trilhos da Estação foi organizada pelo Foto Clube Urussanga em parceria com o Movimento pela Paz da Estação Cocal. “O objetivo deste encontro é registrar as paisagens, a arquitetura histórica e a nossa cultura por meio da fotografia. Posteriormente compartilharemos este trabalho com a comunidade organizando uma exposição”, explicou um dos organizadores, Guilherme Meneghel.

A importância do Clube de Foto como espaço de troca de conhecimentos entre os amantes desta arte foi ressaltada pelo argentino Juan Russo, fotógrafo profissional. “Urussanga tem a única associação do sul catarinense. A fotografia se popularizou com o acesso às tecnologias. No entanto, temos muito que aprender uns com os outros e este movimento nos ajuda a treinar o exercício do olhar e a aprimorar técnicas e o entendimento da mecânica da fotografia”, frisou Russo.

Os participantes, de idades e profissões diferentes, partiram da antiga Villa Stazione, conheceram as comunidades de Vila Rica e Linha Pagnan e reuniram-se para um piquenique em frente ao Capitel Santo Antonio. Dário Alves Batista, de 84 anos, gosta de estar com gente jovem. “Aqui não se fala em remédio, em doença e nem mal dos outros. Conheci uma pessoa que fez o Caminho de Santiago de Compostela, falamos de nossos sentimentos e da vida. Isto me motiva a fazer parte destas ações e não me deixa cansado”.

Para finalizar o dia, buscaram imagens do entardecer num dos morros do município de Treze de Maio. As nuvens dificultaram um pouco a visibilidade, mas um monumento natural formado por três blocos de rochas de granito sobrepostas colaboraram com o visual. O geógrafo, Bill De Nez, explicou que aquelas rochas são extrusivas plutônicas, ou seja, formaram-se nas profundezas da crosta terrestre e que há milhares de anos foram soerguidas até a superfície. Com o tempo, agentes externos como a água das chuvas, sol e o vento, ocasionaram o desgaste natural dos blocos, separando-os e formando a escultura de rocha.

Colaboração: Ana Lúcia Pintro

Leia mais sobre: caminhada, fotografia
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Geninho, Cavalo, Jorginho e Dado na lista do TigreCaravaggio e Metro na frente nas semifinaisSantos Dumont na lista da usina de asfaltoMais um título para o vôlei de base de ForquilhinhaGovernador encerra congresso de despachantes em CriciúmaHSJ ganha reforço de doze leitos em dezembro