InternetData CenterAssinante

Tigre segura empate no Independência e decide vaga em casa na próxima quarta

Time mineiro desperdiçou pênalti no início do jogo
Tigre segura empate no Independência e decide vaga em casa na próxima quarta
Foto: Celso da Luz/Criciúma EC
Por Thiago Hockmüller Em 02/06/2021 às 23:28

No dia em que comemora 30 anos da conquista da Copa do Brasil, o Criciúma arrancou um grande resultado frente ao América Mineiro pela terceira fase da competição na qual foi campeão em 1991. Na noite desta quarta-feira, dia 2, os comandados de Paulo Baier seguraram o ímpeto do América Mineiro e arrancaram um empate sem gols em Belo Horizonte, resultado que coloca o Tigre a uma vitória das oitavas de final da competição.

O duelo de volta entre as equipes acontece na próxima quarta-feira, dia 9, no estádio Heriberto Hülse. Antes, no domingo, dia 6, o Tigre visita o São José pela Série C do Campeonato Brasileiro, enquanto o América (MG) enfrenta o Corinthians no Independência pela Série A do Brasileirão. O classificado para as oitavas de final da Copa do Brasil garantirá premiação de R$ 2,7 milhões.


Tigre fez um bom primeiro tempo, mas sofreu na segunda etapa.

Pênalti no primeiro minuto

O duelo entre Tigre e Coelho começou agitado no estádio Independência. O relógio nem havia marcado o primeiro minuto quando o zagueiro Rodrigo derrubou o atacante Ademir dentro da área e o árbitro gaúcho Pedro Vuaden assinalou penalidade máxima. Confiante, o centroavante Rodolfo finalizou forte tentando acertar o canto esquerdo do goleiro Gustavo, que até acertou o lado, mas não precisou fazer a defesa. Para lamentação geral dos mineiros, a bola saiu pela linha de fundo.

O susto fez bem aos catarinenses. Concentrados, os jogadores do Tigre passaram a vencer duelos no meio-campo e a encontrar terreno entre os defensores adversários. Aos 10, Claudinho recebeu passe na ponta direita e cruzou para o meio onde encontrou Dudu Figueiredo. O camisa 10 bateu sem direção e mandou para fora.

O time de Lisca respondeu com o zagueiro Eduardo Bauermann, que tentou desviar de cabeça, mas a zaga do Tigre levou a melhor. O lance não assustou o time de Paulo Baier, que seguiu levando a melhor na imposição física. Aos 28, Arilson roubou bola no campo de defesa, arrancou em direção à meta adversária e achou bom passe para PH. O atacante ganhou do zagueiro na velocidade, mas o chute saiu torto, pela linha de fundo.

Susto no final 

O América até tentava invadir o campo carvoeiro, mas era dominado por jogadores de branco, como aos 32. Felipe Azevedo recebeu na direita, mas logo foi desarmado pelo lateral Hélder. No lance seguinte, Dudu Figueiredo recebeu na intermediária e não hesitou. De longe, arriscou um chute alto, novamente para fora.

Na reta final do primeiro tempo, o Coelho equilibrou o jogo e achou o caminho para agredir a zaga carvoeira. Aos 40, Ademir inverteu da direita para a esquerda e encontrou Alê livre de marcação. Ele dominou dentro da área e chutou torto, para fora. Aos 44, o último lance de perigo na primeira etapa: Juninho recebeu na direita e cruzou para Alê. Desta vez de cabeça, o atacante acertou o alvo e parou em grande defesa de Gustavo. 


Partida da volta está marcada para a próxima quarta-feira.

Embora com menos posse de bola, a superioridade do Tigre no primeiro tempo refletiu nos números: foram cinco finalizações catarinenses contra três dos mineiros. Os jogadores do Criciúma também tiveram mais desarmes (9x7) e interceptações (3x2). E menos perdas de posse de bola (8x16). “A gente sabia que seria um jogo movimentado, a equipe deles é muito qualificada, sabíamos que a gente deveria entrar forte para segurar eles no primeiro tempo, e vamos voltar fortes também”, refletiu Uilliam.

Tigre recuado

A segunda etapa iniciou com o Criciúma acuado no campo de defesa e o América trocando passes e rondando a grande área. Aos seis, Rodolfo deixou Alê em condições de finalizar, porém Marcel Scalese deu um carrinho providencial tirando para escanteio. Depois, o mesmo Alê cruzou na área e Hélder se atirou na bola para bloquear a finalização de Felipe Azevedo. A pressão seguiu. Aos oito, Diego Ferreira cruzou na área, Rodolfo desviou de cabeça e Gustavo defendeu com tranquilidade.

A primeira chegada do Tigre no campo de ataque foi apenas aos 12 minutos. Depois de sofrer com Felipe Azevedo na defesa, o lateral Claudinho arrancou em velocidade e foi derrubado na intermediária por Ricardo Silva. O técnico Paulo Baier aproveitou a parada para fazer a primeira substituição trocando PH por Gabriel Henrique. Já a cobrança da falta não deu em nada.

O América respondeu aos 17, com Felipe Azevedo. Livre na marca da cal, o meia recebeu passe na medida de Diego Ferreira e pegou de primeira, a bola ganhou altura e saiu por cima da meta de Gustavo.

Técnicos partem para as mudanças

Com o Tigre em dificuldade no jogo, Paulo Baier fez novas alterações. Saíram Claudinho, Dudu Figueiredo e Uillian Barros, entraram Moacir, Eduardo e Warley. Já Lisca trocou Rodolfo José, Ademir, Juninho, Ricardo Silva e Felipe Azevedo, por Bruno Nazário, Kawê, Ribamar, Ramon e Carlos Alberto.

No final do duelo, o time de Lisca tentou pressionar no abafa, mas não teve forças para vencer a defesa carvoeira. Cabe lembrar que em caso de novo empate no Heriberto Hülse, a decisão será nos pênaltis.

Ficha técnica para América (MG) 0x0 Criciúma

Competição: Copa do Brasil, terceira fase.

Data: Quarta-feira, 2 de junho.

Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG).

Horário: 21h30.

Arbitragem: Leandro Pedro Vuaden apitou o jogo, auxiliado por Jorge Eduardo Bernardi e José Eduardo Calza.

Cartão amarelo: Zé Ricardo (AME); Rodrigo e Dudu Vieira (CRI).

América (MG): Matheus Cavichioli; Diego Ferreira, Eduardo Bauermann, Anderson e Ricardo Silva (Ramon); Zé Ricardo, Juninho (Ribamar) e Ademir (Kawê); Felipe Azevedo (Carlos Alberto), Rodolfo (Bruno Nazário) e Alê.

Técnico: Lisca

Criciúma: Gustavo; Claudinho (Moacir), Rodrigo, Marcel Scalese e Hélder; Arilson, Dudu Vieira, e Dudu Figueiredo (Eduardo); PH (Gabriel Henrique), Uillian Barros (Warley) e Fellipe Mateus.

Técnico: Paulo Baier

Leia mais sobre: