InternetData CenterAssinante

Criciúma esbarra nas expulsões e não sai do empate com o Botafogo (PB)

O Tigre terminou a partida com nove jogadores após duas expulsões
Criciúma esbarra nas expulsões e não sai do empate com o Botafogo (PB)
Foto: Rafaela Custódio / Portal Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 16/10/2021 às 21:00

Faltaram gols, mas sobraram expulsões em Criciúma e Botafogo (PB). Tigre e Belo se enfrentaram no Estádio Heriberto Hülse neste sábado, dia 16, e não saíram do 0 a 0 na partida válida pela 3ª rodada do Grupo C do Campeonato Brasileiro da Série C. O jogo ficou marcado pela intervenção do VAR, já que através de orientações da cabine do vídeo, o árbitro mineiro Paulo César Zanovelli expulsou Dudu Vieira e Léo Costa no lado carvoeiro, sendo que o primeiro deixou o jogo logo aos 8 minutos.

O resultado, dentro das circunstâncias, não foi lamentado pelo Tigre. O Criciúma chegou aos 5 pontos e terminou a rodada na vice-liderança da chave, atrás apenas do Ituano, que soma 6. Já o Botafogo (PB) ultrapassou o Paysandu e assumiu a 3ª colocação.

Tigre começa no prejuízo

Os primeiros cinco minutos de jogo foram de poucas emoções. O Botafogo (PB) teve mais a bola, mas não conseguiu progredir. O Criciúma, em compensação, tentou atacar através de uma cobrança de escanteio, com Silvinho. O camisa 11 encontrou Rodrigo, que desviou com o pé direito, mas sem direção e mandou longe do gol de Felipe. 

Aos 6, veio o lance chave do confronto e Dudu Vieira deixou o jogo mais cedo. O meio-campista dividiu a bola com Tsunami na altura do círculo central e atingiu de sola o adversário. O árbitro deu falta, mas não apresentou nenhum cartão. Chamado para revisar o lance, Paulo César Zanovelli expulsou o atleta do Criciúma, entendendo que a falta foi muito violenta. Por reclamação, Helder foi advertido com o cartão amarelo.

Para suprir a ausência de Dudu Vieira, Tencati preferiu não fazer nenhuma substituição. A única mudança foi de posicionamento e Fellipe Mateus passou a preencher o lado direito quando o Criciúma era atacado.

Ainda assim, mesmo com 10 em campo, o Tigre não se intimidou. Aos 11, Claudinho arriscou um chute do meio da rua e a bola saiu à esquerda de Felipe após desvio no meio do caminho.

Dali em diante, o jogo perdeu em emoção. O Criciúma tentou atacar, mas falhou no último passe, enquanto o Botafogo (PB) encontrou muitas dificuldades para se aproximar da área adversária.

Visitantes crescem

A primeira boa chance do Belo foi aos 23 minutos. Marcos Aurélio cobrou escanteio a meia altura, William Machado desviou de leve e Gustavo teve que correr para segurar a bola em cima da linha. Três minutos depois, foi a vez de Welton tentar de cabeça, mas ele foi outro a esbarrar no goleiro carvoeiro. Já aos 29, Tsunami cobrou falta de longe e rasteiro, apostando no gramado molhado, só que faltou força e Gustavo agarrou a bola.

Com o crescimento do Botafogo (PB) na partida, o Criciúma ficou recuado na defesa, esperando a chance para emplacar um contra-ataque. Só que foi o Belo quem atacou novamente. Aos 37, Pablo arriscou do meio da rua e Gustavo caiu para a esquerda, defendendo em dois tempos. No lance seguinte, Tsunami recebeu no fundo e cruzou por baixo, procurando Welton. O goleiro do Tigre, atento, se antecipou e ficou com a bola.

O único contra-ataque que o Criciúma quase conseguiu encaixar veio aos 44 minutos. Helder correu em velocidade pela esquerda e a única forma que Sávio encontrou para brecá-lo foi agarrando o lateral do Tigre. Falta e cartão amarelo para o defensor do Botafogo (PB). Curiosamente, aos 48, o mesmo Sávio fez falta dura em Silvinho, que estava próximo do bico da grande área pela esquerda, mas passou sem cartão desta vez, para reclamação de atletas e torcida carvoeira. Na cobrança da falta feita por Silvinho, Felipe fez boa defesa.

Apesar do esforço das duas equipes, ninguém balançou as redes antes do apito final do árbitro. No placar, 0 a 0 no primeiro tempo em Criciúma.

Belo volta sem os pendurados

As duas equipes voltaram para o segundo tempo com mexidas na formação. No lado do Criciúma, quem entrou foi Hygor, que substituiu Henan, em mais uma partida apagada. Já no Botafogo (PB) entraram dois ex-atletas do Tigre: Clayton e Juba, que ocuparam as vagas de Cleyton e Sávio, que já estavam amarelados. O volante Pablo foi deslocado para a lateral direita do time paraibano após a saída de Sávio.

Animado após o papo no vestiário, o Criciúma entrou ligado no segundo tempo e criou boa chance logo aos 3 minutos. Fellipe Mateus roubou a bola na entrada da área e chutou de pé canhoto, mandando à esquerda de Felipe. A resposta do Belo veio aos 8. Após jogada ensaiada em falta lateral, Marcos Aurélio achou Clayton na área, ele chutou rasteiro e Juba desviou de calcanhar. A bola passou à esquerda de Gustavo.

Passados os 10 minutos, o Botafogo (PB) passou a pressionar mais e criou duas chances antes dos 15. Tsunami, de cabeça, e Fred, num chute de longe, tentaram assustar o Tigre, mas não acertaram o alvo.

Aos 21 minutos, Tencati mexeu pela segunda vez. Claudinho deixou o gramado e Alemão, recuperado de contusão, ingressou na lateral direita do Tigre.

Nova expulsão

Quatro minutos depois, nova revisão no vídeo por parte do árbitro. Léo Costa dividiu bola com Clayton e, na queda, ergueu o pé, atingindo o rosto do adversário. Na revisão, o camisa 5 foi expulso e o Tigre passou a jogar com nove.

Percebendo o bom momento, Gerson Gusmão foi ao ataque, colocando o centroavante Ederson, que entrou na vaga de Juninho. Já Tencati preferiu segurar a formação por mais tempo. Apesar da vantagem numérica, o Belo não conseguiu ameaçar a meta de Gustavo.

Não restou outra alternativa a Gusmão a não ser mexer de novo. Aos 36, saíram de campo Marcos Aurélio e Tsunami para as entradas de Luã Lucio e Gabriel Araújo. No Criciúma, aos 38, veio à campo Renan Areias na vaga de Fellipe Mateus.

Desesperado em busca da vitória, o Belo só criou chance aos 42. Após cruzamento da esquerda, Rodrigo cortou para a entrada da área e Clayton finalizou de primeira para a defesa de Gustavo. No lance seguinte, o mesmo Clayton recebeu na área, tocou para Éderson que rolou na entrada da área para Tinga. O volante chutou de primeira e mandou longe do alvo.

Nos acréscimos, o time visitante tentou pressionar, mas abusou dos cruzamentos para a grande área, consagrando Rodrigo e Marcel Scalese. Ao Criciúma restou amarrar o jogo, substituindo Silvinho por Luiz Paulo aos 51, e segurar o 0 a 0 atuando com nove jogadores.

Os dois times voltam a se encontrar no próximo fim de semana, só que com mando invertido. No dia 23, o Criciúma vai até a Paraíba para enfrentar o Botafogo, a partir das 19 horas.

Ficha técnica para Criciúma 0x0 Botafogo

Competição: Campeonato Brasileiro da Série C, 3ª rodada do quadrangular

Data: Sábado, dia 16 de outubro

Local: Estádio Heriberto Hülse, Criciúma

Horário: 19 horas

Arbitragem: Paulo César Zanovelli da Silva (MG), auxiliado por Fernanda Nândrea Gomes Antunes (MG) e Magno Arantes Lira. Marco Aurélio (MG). A equipe do VAR foi composta por Augusto Fazekas Ferreira (MG), auxiliado por Cleriston Clay Barreto Rios (SE)

Público: 3.794 pessoas

Renda: R$ 67.725,00

Cartão amarelo: Helder (CRI); Cleyton, Sávio (BOT);

Cartão vermelho: Dudu Vieira, Léo Costa (CRI);

Criciúma: Gustavo; Claudinho (Alemão), Rodrigo, Marcel Scalese e Helder; Léo Costa, Eduardo, Dudu Vieira e Fellipe Mateus (Renan Areias); Silvinho (Luiz Paulo) e Henan (Hygor)

Técnico: Cláudio Tencati

Botafogo (PB): Felipe; Sávio (Clayton), Fred, William Machado e Tsunami (Gabriel Araújo); Juninho (Ederson), Pablo e Tinga; Cleyton (Juba), Marcos Aurélio (Luã Lúcio) e Welton

Técnico: Gerson Gusmão