InternetData CenterAssinante

Banana Bowl confirmado para março em Criciúma; edição inédita reunirá todas as categorias do evento

Mais de 1,5 mil pessoas são esperadas para o torneio que acontecerá entre os dias 1 e 7
Banana Bowl confirmado para março em Criciúma; edição inédita reunirá todas as categorias do evento
Foto: Luiz Candido/CBT
Por Thiago Hockmüller Em 19/01/2021 às 15:41

Está confirmada em Criciúma mais uma edição do Banana Bowl, maior torneio infanto-juvenil de tênis da América Latina e um dos maiores do mundo. A competição está programada entre os dias 1 e 7 de março, na Sociedade Recreativa Mampituba, e deve reunir mais de 500 atletas na Capital do Carvão.

A surpresa para esta edição, a quinta em Criciúma, está na inclusão de categorias que eram disputadas simultaneamente em outras cidades. Desta vez, além da categoria 18 anos (da Federação Internacional de Tênis - ITF), a Capital do Carvão receberá as categorias 12 anos (nacional), 14 anos e 16 anos (Confederação Sul-Americana de Tênis - Cosat), 18 anos (ITF), além do Bananinha (Tennis Kids nas categorias 8, 9, 10 e 11 anos – nacional). 

O anúncio oficial ainda não foi realizado porque a Federação Catarinense de Tênis (FCT) aguarda os protocolos de segurança e prevenção à Covid-19 elaborados pela ITF. “São as mesmas normas rígidas aplicadas nos torneios internacionais. Os atletas deverão apresentar exames na entrada e saída, e talvez testes durante a competição. São protocolos da OMS (Organização Mundial de Saúde) e da ITF”, explica o presidente da FCT, Alexandre Farias.

A expectativa é que o evento traga cerca de 1,5 mil pessoas para Criciúma, contando atletas, técnicos, preparadores e familiares dos tenistas. Até por isso a FCT estuda mais dois locais para a realização de jogos e treinamentos. Estão em pauta o Criciúma Clube, no bairro Cruzeiro do Sul, e a Dingo's Point Ball, no Centro. 

“Não vamos deixar de realizar por essa condição (de pandemia). O tênis foi considerado a atividade esportiva mais segura do mundo. Evidente que não será aberto ao público, perde um pouco o brilho sem o calor da arquibancada, sem as pessoas que gostam e prestigiam o evento. Mas estamos obedecendo de forma extremamente rígida os protocolos e não haverá problemas”, garante Farias.

Estrutura dos clubes garante segurança

Nos últimos quatro anos o Mampituba recebeu a categoria 18 anos do Banana Bowl. E a evolução do evento em solo carvoeiro também projetou a vinda da Copa Davis em 2019 para duelos entre Brasil e Barbados. A larga experiência adquirida permite ao presidente da federação idealizar um evento seguro para a saúde dos atletas e profissionais envolvidos.

“Ano passado fizemos diversos torneios e graças a Deus não tivemos qualquer problema com tenistas. O Mampituba é aberto e grande, ajuda neste sentido de não ter aglomeração. Hoje, temos todas as condições excepcionais para prática do esporte. A única coisa que talvez não será permitido é o prestígio do público”, explica Farias.

Em conjunto com a estrutura do Mampi e dos outros dois locais projetados para receber o Banana Bowl, além dos protocolos da OMS e ITF, a federação também está monitorando sistematicamente a evolução da Covid-19 na Região Carbonífera. Isto ocorre em função dos decretos de restrição e flexibilização que são alterados de acordo com a matriz de risco potencial para Covid-19 elaborada pelo Governo do Estado.

“Estamos iniciando o processo de vacinação e às vezes a própria determinação do governo permite que façamos com redução de capacidade (de público) e gostaríamos que o público comparecesse. Acreditamos que se eventualmente a situação complicar ou piorar, vamos ter um rigor maior. Este ano vai ser um evento histórico que vamos disputar todas as categorias. Dificilmente é realizado desta forma no Brasil e no mundo”, argumenta o presidente da federação.

Chinês levou a melhor em 2020

A 50ª edição do Banana Bowl, a quarta disputada em Criciúma, aconteceu entre os dias 10 e 17 de fevereiro do ano passado. A competição terminou com a vitória do chinês Hanwen Li e da norte-americana Elvina Kalieva. Enquanto Li superou o brasileiro Natan Rodrigues, Elvina venceu a espanhola Leyre Romero Gormaz, ambos na categoria 18 anos.

O brasileiro Gustavo Heide e o italiano Luciano Darderi foram os campeões de duplas na categoria 18 anos. Eles superaram a dupla formada pelo americano Dali Blanch e o venezuelano Lorenzo Claverie. Já no feminino, a dupla formada pela argentina Ana Geller e a uruguaia Guillermina Grant derrotou a dupla Mell Gonzalez, equatoriana, e Solana Sierra, argentina.