InternetData CenterAssinante

Criciúma x Brusque | A sobrevivência em disputa no jogo mais importante do ano

Os dois times precisam da vitória para atingirem seus objetivos na rodada final da Série C
Criciúma x Brusque | A sobrevivência em disputa no jogo mais importante do ano
Foto: Rafaela Custódio / Arquivo Portal Engeplus
Por Rafaela Custódio Em 05/12/2020 às 11:59

Centenas de interesses e milhares de emoções estarão concentrados no gramado do Estádio Heriberto Hülse neste sábado, dia 5, a partir das 19 horas, quando Criciúma e Brusque se enfrentam em partida válida pela última rodada do Grupo B da Série C do Campeonato Brasileiro. De um lado, um Tigre tenta evitar um inédito rebaixamento para a 4ª divisão. Do outro, o time quadricolor, líder durante boa parte da competição, vindo de uma sequência negativa precisa do resultado para se classificar para a 2ª fase.

A fórmula para o Criciúma evitar o rebaixamento é simples: se vencer, escapa da queda. Se empatar ou perder, precisa torcer para que o São Bento não vença o Ituano, em Sorocaba, em jogo marcado para às 19 horas. Se o Azulão vencer, o Tigre fica na obrigação de derrotar o Brusque.

Já o caso do time do Alto Vale do Itajaí é mais complexo. Uma simples vitória será suficiente para a classificação, mas caso fique no empate, dependerá de tropeços de Ituano ou Tombense. Se ambos vencerem, vai depender que Londrina ou Ypiranga percam seus jogos. Se o Brusque perder, se classifica se Ituano ou Tombense não vencerem seus jogos. Caso esses dois times vençam, a única salvação seria Londrina ou Ypiranga sofrerem goleadas para reverter no saldo - do Londrina é 4, do Ypiranga 3, e o do Brusque -3.

Confira mais detalhes no pré-jogo:

Criciúma

Em má fase

Apesar de depender de uma simples vitória para evitar o rebaixamento, o Criciúma precisa, primeiramente, driblar a má fase. Já são sete jogos sem vitórias na Série C, período onde acumulou quatro derrotas e três empates. Quando venceu pela última vez, no 2 a 1 sobre o Londrina, em 11 de outubro, o Tigre assumiu a 3ª colocação do Grupo B. Desde então, despencou na classificação até chegar a situação atual - em 8º, com 18 pontos, uma posição acima da zona de rebaixamento.

Para driblar a má fase, os próprios jogadores trataram de “lavar a roupa suja”, expressão utilizada pelo capitão Foguinho em entrevista coletiva ao longo da semana. “Nós fizemos uma reunião na segunda-feira, internamente, só nós atletas e depois a comissão. Nessa reunião, nos cobramos muito. Na gíria do futebol, nós lavamos a roupa suja. Fizemos um trato entre nós de que essa semana teria que ser diferente. Se os resultados não estão vindo, a gente tem que fazer algo diferente. E cabe a nós, porque somente a gente vai tirar o Criciúma dessa situação”, afirmou o meio-campista, que deve fazer seu último jogo pelo clube antes de se transferir para o Avaí.

Esta também deve ser a última partida de Itamar Schulle no comando do Tigre. Até aqui ele soma uma vitória, quatro derrotas e três empates em oito partidas. Após o revés sobre o São José no último fim de semana, ele admitiu que não seguirá no clube em 2021. Schülle, aliás, precisará mexer na formação inicial para encarar o Brusque, já que não terá à disposição o lateral esquerdo Kaike, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Brusque

Em risco

Depois de ficar 13 das 17 rodadas na liderança, o Brusque chega na partida derradeira em risco. Um novo tropeço pode culminar na inesperada eliminação da equipe do Alto Vale do Itajaí. Boa parcela do risco vem da vertiginosa queda de rendimento no 2º turno, período onde tem a pior campanha do grupo, com uma vitória, três e quatro derrotas. A equipe dirigida por Jerson Testoni não venceu nas últimas seis rodadas - quatro derrotas e dois empates - e viu sua defesa virar um ponto de fragilidade, sofrendo 17 gols - oito deles no 8 a 1 sofrido contra o Volta Redonda, na rodada passada. O Marreco está em 3º, com 28 pontos.

O 8 a 1, aliás, motivou cobrança da torcida. De acordo com o site O Município, na terça-feira, dia 1º, foi realizada uma reunião envolvendo dirigentes, atletas, o técnico Jerson Testoni e representantes da torcida organizada do clube. “Eles queriam saber o que estava acontecendo, principalmente internamente. Me perguntaram se o grupo estava na mão, se eu tinha o controle do vestiário ainda. O que houve no sábado, se tinha algum problema, se houve alguma situação diferente. A partir do momento que eu perder o vestiário, que eu perder o comando, eu sou o primeiro a pegar o meu boné e ir embora”, descreveu o treinador.

Antes da viagem ao Sul do Estado, Testoni recebeu as informações dos desfalques de Luan Santos e Gustavo Henrique, ambos com desconforto muscular. O goleiro Zé Carlos, ex-Criciúma, também não joga, cumprindo suspensão. Outro que não estará em campo, mas por uma razão, no mínimo, curiosa é Nunes. O centroavante de 38 anos foi anunciado como novo reforço nesta semana, só que a diretoria do clube não conseguiu inscrevê-lo a tempo e ele foi liberado antes mesmo de estrear.

Arbitragem

A arbitragem de Criciúma x Brusque vem do Pará. Andrey da Silva e Silva apita o jogo com o auxílio de Márcio Gleidson Correia Dias e José Ricardo Guimarães Coimbra.

Retrospecto

A vantagem no confronto é do Criciúma, mas o retrospecto recente no Heriberto Hülse favorece o Brusque. Ao todo, os dois times se enfrentaram 60 vezes, com 28 vitórias carvoeiras, 15 empates e 17 triunfos da equipe do Vale. No HH, a vantagem também é do Tigre, que levou a melhor 21 vezes, empatou cinco e foi derrotado em quatro oportunidades.

Entretanto, o Brusque não perde para o Criciúma no Heriberto Hülse desde março de 2016. De lá pra cá, os dois times se encontraram quatro vezes no Majestoso, com dois empates e duas vitórias. Em março deste ano, por exemplo, o time visitante fez 3 a 1 em pleno HH, pelo Campeonato Catarinense.

Transmissão

A equipe Tabelando transmite o confronto pelo Facebook do Portal Engeplus. Mateus Mastella comanda a equipe que conta com Moisés Souza no plantão e Emerson Crippa nos comentários.