InternetData CenterAssinante

Após 115 dias sem atuar, Tigre empata com o Marcílio Dias e decide vaga no domingo

Em jogo sem torcida, time carvoeiro criou boas chances, mas não furou a defesa adversária
Após 115 dias sem atuar, Tigre empata com o Marcílio Dias e decide vaga no domingo
Foto: Rafaela Custódio/Portal Engeplus
Por Thiago Hockmüller Em 08/07/2020 às 21:00

Depois de 115 dias e em meio à pandemia do novo coronavírus, o Campeonato Catarinense voltou. E o recomeço para o Criciúma, na noite desta quarta-feira, dia 8, não foi como esperado. Com o Heriberto Hülse vazio, atendendo uma série de protocolos, o time de Roberto Cavalo até jogou bem, criou oportunidades, mas empatou sem gols com o Marcílio Dias em partida válida pelas quartas de final do Estadual

A decisão da vaga à semifinal ficou para domingo, dia 12, quando o Tigre visita o Marinheiro, às 11 horas, no Gigantão das Avenidas em Itajaí. Quem vencer, avança para enfrentar Chapecoense ou Avaí.

Jogo movimentado, mas sem gols 

Os times sentiram a falta de ritmo após a longa paralisação provocada pela Covid-19. Nos primeiros 45 minutos, falhas individuais, mas bastante movimentação das equipes. Logo no primeiro minuto, Eduardo encontrou Jean Dias posicionado na entrada da área, todavia, o passe saiu direto nas mãos de Belliato.

Aos três, Milanez recuou para o goleiro Agenor (foto). O camisa 1 demorou para tomar uma decisão. Pressionado, tentou chutar para frente e tomou um susto. A bola bateu em Roberto Pítio, que apenas escorou para as redes. Sorte do Tigre que o árbitro Diego da Costa Cidral pegou toque de mão do atacante e anulou o lance.

Aos poucos o Criciúma foi se encontrando, com bastante movimentação dos homens de meio-campo e ataque. Aos 20, Carlos César aproveitou indefinição na defesa do Marcílio Dias, limpou o lance e finalizou com perigo. Belliato, bem posicionado, fez a intervenção.

Que susto, Tigre!

O Marcílio Dias não demorou para organizar uma resposta. Aos 22, Pítio desviou cobrança de lateral, Nathan tentou emendar uma bicicleta, mas furou em bola. Atento, Pítio pegou a sobra e finalizou com perigo. E só não marcou porque a bola desviou na defesa e saiu pela linha de fundo.

Pouco tempo depois, Agenor voltou a se complicar com a bola nos pés. Ele recebeu recuo, novamente demorou para decidir o que fazer com a gorducha e tentou driblar o atacante. Antes de fazer uma lambança, desistiu da jogada e rolou pela linha de fundo. A cobrança de escanteio não deu em nada e o Criciúma escapou de mais uma.

Ainda no primeiro tempo, duas chances, uma para cada lado. Aos 32, Anderson Ligeiro deixou Victor Guilherme na saudade e da entrada da área chutou firme, procurando o ângulo direito. A bola saiu por cima do gol defendido por Agenor. A resposta carvoeira saiu dois minutos depois. Carlos César deu passe preciso para o estreante Jean Dias, que viu Belliato crescer e abafar a finalização. 

Equipes crescem na etapa final

Os dois times voltaram sem alterações para a segunda etapa. E o Tigre voltou melhor, sempre com a participação do goleador da equipe, Carlos César. Logo aos cinco minutos, ele cobrou falta com perigo, ao lado da meta do Marcílio Dias. 

Aos nove, Carlos César deixou Léo Ceará na cara de Belliato, e o camisa 9 finalizou fora do alcance do goleiro, só que o lateral Rodrigo Ferreira evitou o gol se atirando em direção à bola. No rebote, Jean Dias tentou finalizar, mas a defesa foi mais rápida e afastou o perigo. 

Sem conseguir responder a altura do Tigre, o auxiliar Carlos Alberto (técnico Moisés Egert foi diagnosticado com Covid-19 e não viajou para Criciúma) realizou a primeira alteração trocando o atacante Nathan por Guilherme Pitty. E logo no primeiro lance, o meia parou um rápido contra-ataque com falta e recebeu cartão amarelo.

Que categoria!

Melhor jogador do Criciúma na partida, Carlos César (foto) seguiu levando perigo ao gol de Belliato. Aos 25, em cobrança de falta na ponta esquerda da grande área, ele fez tudo conforme o manual:  chute alto, fora do alcance do goleiro e encobrindo a barreira, mas faltou sorte. A bola tocou a trave, passou na ‘boca do gol’ e não entrou. 

O susto provocou nova alteração na equipe do Marcílio. Roberto Pítio e Léo Santos deixaram o campo para a entrada de Hélio Paraíba - ex-Tigre - e Medina. E novamente, após substituição, cartão amarelo, desta vez para o volante Diego Silva.

Aos 30, foi a vez de Roberto Cavalo realizar alterações - cada treinador pôde realizar cinco mudanças, desde que em até três intervenções. Saíram Carlos César e Jean Dias, entraram Alisson Taddei e Andrew. E depois, para não perder o costume, cartão amarelo, agora para Adenilson - o terceiro dele provocando suspensão para o jogo da volta. Logo depois, o volante foi substituído por Thiago Henrique. 

A última tentativa carvoeira de melhorar o time foi com a saída de Léo Ceará para entrada de Jajá. E a do Marcílio Dias foi a troca de Diego Silva por Jonathas. Antes do apito final, Eduardo ainda teve boa oportunidade para colocar o Criciúma à frente no placar. Dentro da área, mandou uma pancada para fora e desperdiçou a chance. Final: Criciúma 0x0 Marcílio Dias.

Ficha técnica para Criciúma 0x0 Marcílio Dias

Competição: Campeonato Catarinense, quartas de final

Data: Quarta-feira, dia 8 de julho

Local: Estádio Heriberto Hülse

Horário: 19 horas

Arbitragem: Diego da Costa Cidral, de Joinville, apitou o jogo auxiliado por Kleber Lucio Gil e Antonio Lourival da Luz, de Florianópolis e Joinville, respectivamente.

Cartão amarelo: Guilherme Pitty (MAR)

Criciúma: Agenor, Victor Guilherme, Rodrigo Milanez, Vitão e Kaike, Adenilson (Thiago Henrique), Eduardo, Foguinho e Carlos César (Alisson Taddei), Léo Ceará (Jajá) e Jean Dias (Andrew).

Técnico: Roberto Cavalo

Marcílio Dias: Belliato; Rodrigo, Wallace, Magrão e Paulinho; Daniel Pereira, Diego Silva (Jonathas) e Nathan (Guilherme Pitty); Anderson Ligeiro, Léo Santos (Medina) e Roberto Pitio (Hélio Paraíba).

Técnico (auxiliar técnico permanente): Carlos Alberto