InternetData CenterAssinante

Avaliação errada do plantel e prejuízos no apito estão entre as queixas de Dal Farra

Dirigente concedeu entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, no CT Antenor Angeloni
Avaliação errada do plantel e prejuízos no apito estão entre as queixas de Dal Farra
Foto: Thiago Hockmüller
Por Thiago Hockmüller Em 03/12/2019 às 14:43

Após um ano turbulento, de pressão e sobressaltos no futebol, o Criciúma já começa a planejar a sua vida na indesejada Série C do Campeonato Brasileiro. A coletiva concedida na tarde desta terça-feira, dia 3, pelo presidente Jaime Dal Farra, trouxe alguns esboços do que pretende o Tigre na próxima temporada a nível de elenco e gestão, no entanto, os questionamentos também serviram para entender os tropeços que levaram o time carvoeiro ao rebaixamento.  

Ao menos dois fatores estiveram evidenciados durante as respostas do cartola: erros de arbitragem e equívocos durante a montagem do plantel.  

Segundo apurado pela reportagem do Portal Engeplus, 44 jogadores participaram da campanha vexatória na Série B, entre eles, nomes de peso para clubes da segunda divisão, como Daniel Costa, Wesley, Léo Gamalho, Vinícius e Maicon. 

No comando técnico não foi diferente. Passaram pelo Tigre treinadores com experiência de Série A, como Doriva e Gilson Kleina, o campeão da Série D, Waguinho Dias, e o rodado na Série B e ídolo do Tigre como jogador, Roberto Cavalo. Para gerir a pasta do futebol, o clube teve Nei Pandolfo, auxiliado por Ricardo Rocha, e depois Maringá. 

Eu investi neste ano o dobro do que pensava. Trouxemos treinadores de ponta, diretor de ponta, jogadores de ponta e diretor executivo de ponta, gente qualificada que sabia tudo de futebol e infelizmente dentro de campo não deu certo. Investi, coloquei dinheiro meu e não há problema nenhum nisso. Infelizmente tentamos fazer diferente este ano e não foi possível. Colocar o Criciúma na Série A era o objetivo quando cheguei, de ascender até o terceiro ou quarto ano, e isso não aconteceu. Fizemos todo o possível 

Jaime Dal Farra, presidente do Criciúma
____________ 

Para o presidente do Criciúma, a arbitragem também teve sua parcela de culpa. Aliás, citou que a queda de divisão de um dos rivais, Chapecoense e Avaí, também passou por erros dos árbitros.  

No caso do Criciúma, Dal Farra questionou falhas sequenciais contra o Tigre na reta final de campeonato. O próprio Roberto Cavalo repetiu este discurso após os jogos. Na derrota para o Sport, por exemplo, chegou a ter uma conversa reservada com o árbitro Wagner Reway, que teria admitido erro ao anular um gol marcado pelo zagueiro Sandro

“Tudo conspirou contra nós este ano. A arbitragem, um campeonato fácil e difícil ao mesmo tempo, que foi nivelado por baixo e de pouca qualidade. E a arbitragem realmente foi determinante nesta reta final. Tivemos um ano difícil, a montagem do elenco não foi adequada. A arbitragem foi terrível, erros nesta reta final, de três pênaltis contra o Brasil de Pelotas e que não foram marcados. A arbitragem foi um grande fator determinante, inclusive com outros clubes de Santa Catarina”, avaliou. 

Para disputar a Série C do Campeonato Brasileiro, o dirigente não confirmou a permanência do técnico Roberto Cavalo e só começará a montagem o plantel após a contratação de um executivo de futebol. No planejamento, também está o recrutamento de um diretor geral para gerir o clube e funcionar como um braço direito na administração. 

Leia mais

Dal Farra segue no Tigre e futuro técnico dependerá da escolha de um executivo de futebol

Confira a entrevista completa do presidente do Criciúma, Jaime Dal Farra

Criciúma em 2019: três campeonatos, cinco técnicos e 44 jogadores

Reinaldo de saída; Gianezini e Gamalho querem ficar

Roberto Cavalo à disposição do Tigre