InternetData CenterAssinante

A história por trás do 'Clássico da Polenta' que decide a Copa Sul dos Campeões

Primeira partida da final entre Caravaggio e Metropolitano acontece neste domingo
A história por trás do 'Clássico da Polenta' que decide a Copa Sul dos Campeões
Foto: Júnior Bortolotto / Arquivo / FJR Sports
Por Heitor Carvalho Em 12/06/2019 às 15:25

Desde 2018, Nova Veneza é conhecida oficialmente como a Capital Brasileira da Gastronomia Típica Italiana, mas a cidade também tem seu reconhecimento em Santa Catarina dentro do futebol amador graças a dois times: Metropolitano e Caravaggio. Desta forma, a cidade não poderia ter um clássico futebolístico sem uma denominação que fizesse jus a cultura do município, o 'Clássico da Polenta'.

Clássico esse que neste domingo, dia 16, às 15h30, abre a disputa pela título da Copa Sul dos Campeões. A primeira partida da final entre Caravaggio e Metropolitano será disputada no Estádio da Montanha, no distrito de Caravaggio.

Como surgiu a ideia do Clássico da Polenta?

Com anos de experiência no rádio, o narrador Jotha Del Fabro também teve essa percepção. Após anos de trabalho no Rio Grande do Sul, onde a cultura se assemelha em certas partes com a de Nova Veneza, o profissional entendeu que faltava um ingrediente para o clássico. “Trabalhei em Caxias do Sul e lá existe o Clássico da Polenta entre Caxias e Esportivo, de Bento Gonçalves. Então quando vim pra cá e vi polenta no Caravaggio e em Nova Veneza, aí fechou”, destaca.

Após lançar a denominação do clássico neoveneziano, Del Fabro viu o Clássico da Polenta se espalhar cada vez mais e hoje não se fala outra coisa quando se enfrentam Metropolitano e Caravaggio. Segundo o narrador, o primeiro Clássico da Polenta devidamente apelidado foi realizado no dia 27 de agosto de 2003, na primeira rodada do Regional da Larm e terminou empatado em 2 a 2. Mas a primeira disputa entre as duas equipes foi no dia 5 de setembro de 1998, pela segunda rodada do mesmo campeonato e terminou com a igualdade no placar de 0 a 0.

De lá pra cá, Caravaggio e Metropolitano já travaram grandes duelos, disputando títulos do Regional da Larm e de Copa Sul dos Campeões, nesta última competição citada também disputarão em 2019.

Caravaggio

Na véspera dos seus 50 anos, o Azulão da Montanha espera preparar uma grande festa para o cinquentenário. O principal objetivo do time na temporada era chegar à final da Copa Sul dos Campeões (fato já realizado) para garantir vagas no Estadual de Amadores e tentar o título, para que em 2020 possa jogar o Sul-Brasileiro.

Com um investimento maior que o da temporada passada, o Caravaggio trouxe jogadores visando cumprir suas metas em 2019. Além dos remanescentes, o técnico Geraldo Spricigo passou a ter a sua disposição atletas que recentemente fizeram sucesso no rival Metropolitano. Beto Cachoeira, Andrei, Dudu e Marquinhos foram algumas das principais contratações do ano

Mesmo já classificado para o Estadual, o Caravaggio irá buscar o título que foi conquistado pela última vez em 2016.

Metropolitano

Em Santa Catarina, o Vermelhão de Nova Veneza não precisa mais provar nada a ninguém também. Nos últimos dois anos, o Metropolitano foi avassalador e ganhou praticamente tudo o que disputou. Dos sete campeonatos em que competiu, o clube ergueu seis taças, sendo duas de Copa Sul dos Campeões, duas do Estadual de Amadores, uma da Larm e outra do Sul-Brasileiro.

Mesmo perdendo jogadores importantes para o rival, o Metrô foi ao mercado e escolheu a dedo seus reforços. André Gava, Paulo Sérgio e Saragozo chegaram para somar a equipe, além do retorno dos atacantes Foguinho e Maurício. Com uma base montada há alguns anos, o clube chegou a sua sexta final consecutiva de Copa Sul.

Das últimas cinco em que disputou a taça, o Metropolitano venceu três, e agora buscará um feito inédito; conquistar o título da Copa Sul em cima do Caravaggio.

Orgulho para Larm

Desde 2008, a Liga Atlética da Região Mineira (Larm) tem um representante na final da Copa Sul dos Campeões. Esta será a sexta vez que duas equipes da liga decidem a competição. No comando da instituição há seis meses, Guilherme Gomes, se diz orgulhoso pela representatividade na final. “Estamos felizes por uma competição que iniciou com 12 equipes terminar com duas da Larm, reeditando outras finais que já aconteceram do Clássico da Polenta”.

Colaboração: Fabrício Júnior / FJR Sports