InternetData CenterAssinante

Todos unidos para ajudar o pequeno Benjamin

Torcedoras do Tigre se unem em causa social
Todos unidos para ajudar o pequeno Benjamin
Foto: Divulgação
Por Mateus Mastella Em 21/09/2018 às 12:04

As meninas Carvoeiras - um grupo de mulheres que torcem pelo Tigre - abraçaram uma causa muito nobre e importante: o pequeno Benjamin. Ele foi diagnosticado com Hernia Diafragmatica Congenita (mais explicações ao final da matéria) e precisa de algumas cirurgias para tentar se curar disso. Uma destas cirurgias já foi feita com a criança dentro da barriga da mãe, mas precisa mais do que isso. E tem um problema: dinheiro.

É por isso que as Carvoeiras e muito mais gente se uniram nesta causa para ajudar Benjamin. As torcedoras Deise, Bruna e Andreza estiveram no Debate Tabelando, da TV Engeplus, e explicaram como cada um pode ajudar neste desafio. “Vai ter um café colonial no domingo no Centro Comunitário, do bairro Vila Francesa. É apenas R$ 15, vai poder desfrutar do café e ainda, acima de tudo, ajudar o nosso Benjamin”, conta Bruna.

“Benjamin nem veio ao mundo, mas já ganhou muitas madrinhas e padrinhos. O mais importante é que muita gente tem abraçado essa causa e nós não poderíamos ficar de fora. Vamos fazer de tudo o que for preciso”, define Deise.

O Criciúma Esporte Clube, os jogadores Beto Cachoeira e Gustavo Lalau, do Metropolitano, a equipe Ardidos Futebol Clube, o time do Máster Mineira Nova, as Carvoeiras e a Gráfica Santos são parceiros que entraram nesta causa para vencer a batalha. “Benjamin faz parte da nossa luta e não vamos desistir”, garante Andreza. Para quem quiser ajudar e não pode ir até o Centro Comunitário, poderá fazer depósito no Banco do Brasil, na Conta Corrente (72.471-8) da Vanessa Fonseca Pereira Manoel, na Agência 0407-3.

 

Mais detalhes sobre a doença
A Hérnia Diafragmática Congênita é um furinho no diafragma, músculo que divide os órgãos do tórax e do abdômen e ajuda no movimento de respiração. Quando há esse furinho (HDC), os órgãos do abdomen sobem para o tórax e esse acúmulo de órgãos no tórax prejudica o desenvolvimento dos pulmões e causa também o deslocamento do coração, o índice de mortalidade é de até 75%.

A doença não tem uma causa definida e qualquer mulher poder ter um filho com esta doença, 84% das lesões são do lado esquerdo do diafragma, 13% são do lado direito e 3% são bilaterais.Para os casos de HDC grave, tem a indicação da cirurgia intra uterina de oclusão traqueal endoscópica fetal( balão colocado na traquéia do feto como forma de pressão para que o pulmão desenvolva) pode ser realizada entre a 24ª e a 28ª semanas de gestação. Entre a 32ª e a 34ª semanas de gravidez, o balão traqueal é retirado. Ai se aguarda a criança nascer, estabilizar e ter condições de fazer uma cirurgia definitiva pra colocar os órgãos que se moveram no lugar correto. Sem essa tentativa a chance de sobrevivência é perto de 0, ja com essa possibilidade HDC do lado direito (que é o caso do Benjamin) temos a chance aumentada de 25% a 30%, que pra nós é 100%.

 

Conta para depósito
Vanessa Fonseca Pereira Manoel
Ag: 0407-3
CC: 72.471-8
Banco do Brasil
CPF: 071.557.429-96