InternetData CenterAssinante

Emerson Lodetti ainda não sabe se concorrerá à reeleição da Larm

Dirigente já está há seis anos comandando a entidade e deve tomar uma decisão em dezembro
Emerson Lodetti ainda não sabe se concorrerá à reeleição da Larm
Foto: Thiago Hockmüller
Por Thiago Hockmüller Em 04/09/2018 às 11:00

A nova diretoria da Federação Catarinense de Futebol (FCF) tomará posse no dia 12 de abril de 2019. E lá estará Emerson Lodetti, atual presidente da Liga Atlética da Região Mineira (Larm) e que será um dos cinco vice-presidentes na gestão de Rubens Angelotti para o quadriênio 2019-2023.  

Lodetti e Rubinho estiveram juntos na festividade que marcou os 70 anos de criação da Larm e o lançamento do Campeonato Regional, na última quinta-feira. Depois, novamente juntos, acompanharam de perto a reestreia do Próspera no futebol profissional. Viram um passeio do time comandado por Paulo Baier, que aplicou 5 a 0 no Orleans

Ainda no fim de semana, Lodetti também esteve envolvido com a primeira rodada do Campeonato Regional. Correria, compromissos e responsabilidades que devem aumentar a partir de abril do ano que vem. “É um sonho pra mim estar na diretoria da Federação. Vou tentar fazer ao máximo não só para a Larm, mas para todas as ligas aqui do Sul, para todos os clubes profissionais aqui do Sul. É uma melhoria, um contato, um elo, uma ligação mais forte com a Federação. Então é trabalhar cada vez mais. Temos eleição (para presidência da Larm) agora no final de fevereiro. Vamos tentar fazer algo que agregue mais aos clubes amadores e ligas amadoras com a Federação”, declara.  

A eleição da Larm ainda não tem garantias da candidatura de Lodetti. Já são seis anos à frente da entidade, sendo vice-presidente na segunda gestão de Hélio Gava e presidente desde 2014. O pai dele, Waldir Lodetti, falecido em 2015, ficou 12 anos entre maio de 1995 e dezembro de 2007. “A questão é: será que estou ajudando a Larm? será que estou prejuducando minha saúde? Hoje estou em dúvida. Futebol é um vício. Quem tá dentro dificilmente sai. Deixar a Larm depois de tanto tempo é uma separação dolorida. Mas não adianta ficar na entidade se prejudicando e prejudicando a entidade. Então temos que ver tudo isso e colocar na ponta do lápis para ver o que é melhor para a Larm e para o Emerson”, explica.  

A decisão deve acontecer após a disputa do Campeonato Regional, que tem previsão para terminar em dezembro.  

O preço das vitórias 

De 2011 para cá, Emerson Lodetti viu clubes associados da Larm conquistarem sete títulos da Copa Sul dos Campeões, quatro Estadual de Amadores e um Sul-Brasileiro.  

Tradicionalmente, os filiados da Larm costumam não poupar dinheiro na hora de montar seus times. No entanto, o futebol inflacionou. E as equipes tentam acompanhar este ritmo ditado pelos times profissionais. Quem consegue investir, normalmente se dá bem nas competições. “Os clubes da Larm sempre investem bem. É histórico isso, desde os primeiros anos. Os investimentos são cada vez mais caros, o amador tá muito caro. É um espelho do futebol profissional e a Larm tenta acompanhar esse crescimento na questão financeira. Nos preocupamos com a parte de organização, de acompanhar esse crescimento. Tentamos manter o nível, com muita organização e disciplina para que tudo ocorra bem”, pondera. 

Os clubes são muito organizados, investem muito e tem pouco retorno. A Larm faz ao máximo para alcançar esse nível. É algo bom para a gente, somos reconhecidos como o futebol amador mais forte do Estado. Quem faz a Larm são os clubes. A Larm faz parte da vida de toda a sociedade criciumense. É uma entidade conhecida e muitos se reconhecem na Larm.

 

Emerson Lodetti - presidente da Larm

 

A segunda rodada do Campeonato Regional acontece neste domingo, dia 9. A tabela completa você encontra clicando aqui.