InternetData CenterAssinante

Primogrão: a qualidade do café especial das Matas de Minas vendida em delivery em Criciúma

Professor e empreendedor, Nilzo Felisberto, quer democratizar o consumo do grão no Brasil
Primogrão: a qualidade do café especial das Matas de Minas vendida em delivery em Criciúma
Foto: Lucas Renan Domingos/Portal Engeplus
Por Lucas Renan Domingos Em 05/01/2021 às 18:27 - Atualizado há 1 mês

Em um sítio no bairro Vila Selinger, em Criciúma, estão armazenados cheiros e sabores colhidos da Região das Matas de Minas, mais especificamente de Manhumirim, cidade do interior do Estado de Minas Gerais. São gostos e odores do primeiro grão que vem à mente de todo brasileiro ao acordar, o café, e que se tornou uma oportunidade de negócio para Nilzo Felisberto.

Foi seguindo essa lógica que o professor de Direito criciumense escolheu o nome do seu novo empreendimento, a Primogrão. “Primo, em italiano, quer dizer primeiro. E o café é o primeiro grão que todos nós pensamos logo pela manhã. Como somos de uma região colonizada por italianos, juntei as duas referências e defini que se chamaria Primogrão”, conta Felisberto.

O negócio é um delivery de café. O professor é o responsável por receber os pedidos, moer o café (ou não, dependendo do gosto do cliente), embalar e levar até o consumidor, que pode escolher entre diferentes cheiros, sabores e cores do grão. “Trabalho com cafés orgânicos, cem por cento arábica, que vêm da Associação de Mulheres do Café da Região das Matas de Minas”, destaca o empreendedor.

Café de qualidade para todos os públicos

A fornecedora de Felisberto é Ana Carolina Malta, da quinta geração de uma família de cafeicultores de Minas Gerais, que produz grãos que estão entre os 150 melhores cafés do Brasil e que foram os primeiros a conquistar o selo de certificação orgânica da Europa. A escolha de uma fornecedora gabaritada não foi à toa, garante o professor de Direito, já que sua proposta é oportunizar a qualquer pessoa o consumo de um café de qualidade, aliado ao bom preço.

Minha proposta é democratizar o consumo de café de qualidade no Brasil. Hoje existe uma supervalorização do produto. Beber café de qualidade ficou elitizado. A minha intenção é fazer com que pessoas de classe social 'C', perto do 'B', também possam ter essa experiência. O brasileiro não bebe um bom café. Tanto que existe uma frase que diz: ‘Se você quer beber um bom café do Brasil, vá para o exterior

____________
Nilzo Felisberto, professor de Direito e empreendedor no ramo de delivery de café

Os preços dos tipos de cafés vendidos pelo empreendedor criciumens​e variam entre R$ 10 a R$ 30, sempre em pacotes de 250 gramas. “Existem faixas de consumidores. Quem quiser pagar mais caro por um café, vai ter quem venda. Tem mercado para todos. Mas eu estou me propondo a baixar meu lucro, para ter um volume de venda maior, mantendo meu faturamento e vendendo um produto mais barato. Estou buscando um novo público, que deseja tomar um café de qualidade pagando um valor que cabe no bolso”, calcula Felisberto.

Distribuição semanal

Conforme os pedidos vão chegando, o empreendedor vai preparando. As entregas ocorrem uma vez por semana, geralmente nas quintas-feiras. E o atendimento é o diferencial, afirma o professor de Direito. “Quem compra comigo, não está levando apenas um café. O delivery precisa conciliar o produto com um serviço de qualidade e excelência”, diz.


Café vendido pelo empreendedor está entre os 150 melhores grãos do Brasil - Foto: Lucas Renan Domingos/Portal Engeplus

No primeiro mês, Felisberto vendeu mais de 50 quilos de café. A meta, em até seis meses, é chegar a mais de 200 quilos vendidos mensalmente. A ideia de empreender no ramo de delivery do grão surgiu da união da curiosidade com a necessidade de fazer renda para a família.

“Eu trabalhava em uma faculdade daqui de Criciúma. Recebi uma proposta de emprego para atuar em uma nova instituição de ensino em Florianópolis. Mas veio a pandemia e os investidores suspenderam a construção da nova faculdade e todos os professores que estavam contratados foram demitidos. Como sou apreciador de café, sou amigos de donos de ótimas cafeterias em Criciúma, resolvi empreender para acrescentar na renda familiar. Experimentei café de todo o Brasil até achar um que se adequasse ao meu projeto”, lembra o empreendedor.

Não é caro, tem que saber tomar

Apesar do crescimento exponencial do ramo de cafeterias no Brasil e também na região, ele acredita que o mercado ainda é promissor. “As pessoas estão cada vez mais buscando qualidade ao invés de quantidade. Quando notam que é possível comprar um café especial, pagando mais do que no supermercado, mas aprendendo que lhe basta beber uma xícara, o público passa a entender o valor de um café de qualidade”, pontua.

Um dia, na casa dele, um amigo falou que o preço do meu café era caro. No mesmo momento, a esposa dele jogou meia garrafa térmica de café no ralo. Quem mais bebe café no Brasil, é o ralo da pia. Ainda temos o hábito de fazer garrafas de café e sobra. Mas todos querem tomar um café novinho. Quer um café novo? Faz na sua xícara e bebe

____________
Nilzo Felisberto, professor de Direito e empreendedor no ramo de delivery de café

Encomendas dos cafés da Primogrão podem ser feitas pelo WhatsApp no número (48) 99149-7409 ou pelo instagram @primograocafe. Entre os tipos de grãos vendidos pelo empreendedor estão o café gourmet Matas de Minas, café mokinha, café bourbon amarelo, café catuaí, café bourbon vermelho e café frutado fermentado.