InternetData CenterAssinante

Bar do Juca: um gaúcho que empreende há quase 30 anos em Criciúma

Estabelecimento está localizado na rua Henrique Lage, na área central de Criciúma
Bar do Juca: um gaúcho que empreende há quase 30 anos em Criciúma
Foto: Divulgação
Por Rafaela Custódio Em 27/07/2020 às 09:56

Sair de sua cidade natal e buscar novas oportunidades em um novo município é a história de diversos brasileiros. Não foi diferente com José Scherer, de 53 anos de idade. Conhecido como Juca, ele deixou a cidade de Cerro Largo (RS) há mais de 30 anos para viver em Criciúma. Após mais de um ano trabalhando na Capital do Carvão, o gaúcho inaugurou o seu próprio negócio na rua Henrique Lage, o ‘Bar do Juca’.
 
Atualmente, o estabelecimento funciona como bar, lanchonete e restaurante. No dia 10 de dezembro, completa 29 anos. Hoje, trabalham no local toda a família: a esposa Marlene Manoel e os filhos Gabriel Scherer e Laura Scherer. O local ainda conta com uma funcionária.


 
O Bar do Juca sempre esteve localizado na rua Henrique Lage, porém mudou de ponto em virtude do espaço. Com o tempo, o estabelecimento foi crescendo e precisou ser ampliado. Há quase 29 anos no mercado, o empreendimento cresceu com a cidade e ficou também conhecido pelos jogos de futebol. 

“Acompanhamos o crescimento da rua. Antigamente, atendíamos os trabalhadores de fábrica. Hoje, também atendemos estudantes, já que é rua de algumas escolas, mas também recebemos os comerciantes. Nosso público é muito variado e conseguimos atender a todos”. 
Gabriel Scherer
----------------------

“Meu pai é colorado. Os jogos do Internacional sempre passaram aqui no bar. Fomos um dos primeiros neste quesito de passar uma partida de futebol em estabelecimentos na cidade. É uma marca registrada já. Sempre que tem jogo do Inter, estamos abertos. Nos jogos do Criciúma, também há futebol por aqui. Mas nosso diferencial sempre foram os jogos do Internacional”, comenta Gabriel. 


 
O estabelecimento foi se modificando com o tempo. De um pequeno bar, Juca ampliou para lanchonete. Vendia prato pronto e atualmente conta com buffet. O local está aberto de segunda-feira a sábado, das 8 às 22 horas. O empreendimento ainda abre aos domingos quando o Internacional joga, porém, com a pandemia, não está abrindo. 

Uma família dedicada ao estabelecimento 
 
Tudo começou com Juca, mas hoje, toda a família trabalha no local e se dedica exclusivamente ao estabelecimento. “Meu pai que viu a oportunidade de abrir um bar. A rua Henrique Lage sempre foi movimentada e isso nos ajudou. Cresci dentro do empreendimento e temos clientes que viram minha trajetória. Minha irmã tem 16 anos e também nos ajuda. Ela também foi criada aqui. É de família para família”, comenta Gabriel. “Tentamos atender todo mundo da mesma maneira. Aqui, ninguém é melhor do que ninguém. Viemos dispostos a dar nosso melhor para os clientes e acredito que conseguimos”, completa. 

Recentemente, a família lançou também a entrega de lasanha e empadão de sabores de frango, carne moída, presunto e queijo nos tamanhos médio (R$ 20) e grande (R$ 40). Ainda tem de camarão com a média (R$ 30) e grande (R$ 50), além da torta fria, que também tem dois tamanhos, ou seja, média (R$ 20) e grande (R$ 40). A encomenda pode ser feita pelo telefone (48) 9.9948-6693 e a retirada é no local. 


 
Um local que acolhe as pessoas 
 
Toda família de Juca atua no local e os familiares foram crescendo, pois existem clientes que também fazem parte da família. Gabriel e a irmã Laura ajudam duas crianças a fazerem as tarefas da escola. “Com a chegada da pandemia do coronavírus, os pais acabam trabalhando e não conseguindo muitas vezes ajudar. Então, nós ajudamos. Eu ajudo um menino que o pai dele é nosso cliente. Ele vem aqui duas vezes por semana e o ajudo com as tarefas e também tento ensinar algo”, descreve Gabriel. 
 
Apesar de estar há quase 29 anos no mercado, a família não pensa em abrir filiais. “Nosso objetivo é cada vez mais consolidar nossa marca e manter um padrão. A intenção é poder atender os clientes da melhor maneira possível, como sempre fizemos”, finaliza Gabriel.