InternetData CenterAssinante

Criciumense Mari Ohlweiler é finalista de campeonato mundial de micropigmentação

Empresa Amiea Ambassador irá coroar um embaixador em cada país
Por Jessica Rosso Em 11/12/2018 às 16:05

A criciumense Mari Ohlweiler é uma das finalistas do campeonato Amiea Ambassador de micropigmentação. A empresa alemã irá coroar um profissional de cada país participante para ser embaixador da marca. Ao todo, participam do campeonato, mais de 30 países. Destes, se inscreveram em torno de 12 mil profissionais e estão na fase final em média 200 participantes.

“O vencedor de cada país será convidado a conhecer a fábrica, a participar de um jantar de gala com todos os vencedores. Ganhará entrada em um Congresso Internacional em Berlim, contrato de um ano com a marca para receber em primeira mão tudo que houver de inovação no ramo”, explicou a finalista.

Mari Ohlweiler entrou para a área da beleza há 4 anos. Em seguida, passou a se interessar pelo ramo de micropigmentação de sobrancelhas, área que tem se destacado nos últimos anos despertando o interesse de mulheres e homens que desejam realçar o olhar ou corrigir uma imperfeição.

Há 3 anos, Mari se tornou especialista em micropigmentação de sobrancelhas realizada com dermógrafo, a fio a fio 3D realista. Trabalha também como maquiadora, inclusive atentendo noivas, e Lash designer, que realiza extensão de cílios e lifting, uma técnica nova que utiliza o próprio cílios da cliente. Além de tudo isso, aproveita o tempo livre para realizar cursos e transferir conhecimento sobre as áreas em que atua.

Iniciou a faculdade de jornalismo e trabalhou na área de comunicação. Chegou a passar em um concurso para a Polícia Militar para trabalhar como agente administrativo. Entretanto, a vida foi se encaminhando, como ela mesmo diz, e a área da beleza, que ela pensava em ter como um hobby, ou algo para o futuro, se tornou sua profissão. “Eu tranquei a faculdade para dar sequência ao curso da polícia, mas descobri que estava grávida e não pude fazer. Depois disso acabei perdendo o bebê. Precisava fazer algo para me ocupar e uma amiga estava precisando de uma gerente para trabalhar na esmalteria que ela estava abrindo. Então eu fui”, contou. (Crédito da foto: Janini Dagustin)

Encarando o medo. Se lançando ao empreendedorismo

“Eu já trabalhei com algo que era meu na área de comunicação”. Com essas palavras Mari diz que o desejo de se lançar ao empreendedorismo voltou a aparecer nesse momento da sua vida. “Então pedi para Deus que colocasse uma profissão no meu caminho e aí surgiu a Mary Kay, e me tornei representante”, ressaltou.

Na época, ela não fazia ideia de que seus planos ainda iriam mudar. “Eu já fazia sombrancelhas por hobby, depois do horário em que eu trabalhava como representante, e um dia resolvi postar fotos nas minhas redes sociais. Foi aí que começou a aparecer clientes e fui atendendo em suas casas. Então descobri que estava grávida de novo e resolvi atender na minha casa, já que eu já havia tido uma gravidez de risco”. Mari percebeu que o seu negócio começou a dar tão certo que ela chegou a montar um ateliê dentro do apartamento.

Micropigmentação: Vencendo obstáculos e alcançando reconhecimento

A vontade de atender cada vez mais pessoas colocou a profissional de novo à margem de uma nova decisão. “As clientes começaram a me pedir para fazer micropigmentação na sobrancelha, que era algo que elas queriam muito e como confiavam no meu trabalho queriam que eu aprendesse”, lembra.

Mari decidiu fazer um curso, só que o medo se tornou um obstáculo logo no primeiro momento “A micropigmentação é algo que eu encarei sempre com muita responsabilidade, e eu tinha um certo medo quando fui fazer meu primeiro curso. Eu não tinha coragem de encostar a agulha na pele da cliente, porque é um trabalho que vai ficar permanente. Fiquei com medo de como ficaria o resultado. Fiquei um pouco nervosa. A professora teve que me dar água com açúcar naquele dia”, comentou a profissional que levou um ano para realizar o procedimento. “Um ano só treinando e criando coragem”, complementou.

Depois disso ela resolveu fazer outro curso. “Era algo que estava no meu coração fazer aquilo ali. Só não tinha certeza se aquilo era para mim, porque eu achava muito difícil de fazer. A gente lida com a autoestima das pessoas. Queria fazer mais uma tentativa para ver se aquilo era para mim. E aí voltei mais confiante e comecei a realizar os procedimentos”.

(Foto: Divulgação)

Sobre o campeonato Amiea Ambassador de micropigmentação

Mari Ohlweiler recebeu o contato da empresa Amiea Brasil, pelo instagram. Sem pensar muito ela aceitou o convite.“Eu pensei, acho que devo ter chance, já que estão me constatando como uma das representantes do Amiea Brasil”, afirmou.

Independente de vencer ou não, ela garante que já está feliz com o resultado que a participação tem proporcionado para a sua carreira. “O campeonato está me agregando muito, estou disputando contra pessoas que eu admiro. Me desenvolvi profissionalmente. Já me gerou muita coisa positiva. Reconhecimento com clientes, com outros profissionais. “A minha expectativa é que vença alguém que realmente ama o que faz, que faça com excelência que é o que a marca está avaliando. Tenho confiança de vencer, mas eu sei que é difícil, porque tem muitos profissionais bons participando, mas se eu vencer vai ser um presente de Deus”, concluiu.