InternetData CenterAssinante

Volta às aulas: excesso de peso na mochila pode prejudicar a postura

Além disto, também é importante saber qual o modelo ideal para cada idade
Volta às aulas: excesso de peso na mochila pode prejudicar a postura
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 08/02/2019 às 19:35

De rodinhas, com duas alças nas costas, uma tira no ombro. Você pode escolher entre várias cores, estampas e detalhes, mas sabe qual o melhor modelo de mochila para o seu filho ou filha? Geralmente, as crianças e adolescentes têm suas marcas e personagens favoritos, no entanto, cabe aos pais e responsáveis decidirem qual opção é mais indicada para não prejudicar a saúde do estudante.

O fisioterapeuta Jonathan Hercílio Mauricio, da Clínica Levittá – ITC Vertebral, de Criciúma, explica que, para crianças menores, até uns sete anos, o mais aconselhável é a mochila de rodinhas. Depois disto, o ideal é a mochila com duas alças, usada nas costas, e que estas alças tenham regulagem.

“As alças devem ser reguladas para que a mochila fique na altura da região lombar, sem passar da altura das nádegas. Ficando na altura da lombar, a mochila mantém as curvas fisiológicas da coluna e não altera a postura da criança ou adolescente”, destaca.

Por isto, Jonathan afirma que talvez seja necessário levar o filho na hora de comprar os materiais escolares ou, pelo menos, a mochila, pois é importante verificar qual modelo se adequa melhor a cada um. Outro detalhe fundamental é que as alças sejam mais largas, a fim de distribuir o peso. “O bom das mochilas com alças reguláveis é que elas se adaptam e podem ser usadas nos anos seguintes”, completa o profissional.

O peso na mochila

Além do modelo, também é essencial prestar atenção no peso que é colocado na mochila. O recomendado por especialistas é que o peso total da mochila não ultrapasse 10% do peso corporal da criança ou adolescente. Portanto, o fator determinante não é a idade e, sim, o peso do aluno.

“Acredito que seja responsabilidade dos pais e responsáveis observarem o que o estudante está levando dentro da mochila. Tem adolescente que leva todo dia o material da semana inteira, sendo que as aulas são separadas, então ele pode levar apenas o que vai usar em cada dia”, ressalta Jonathan.

Ainda sobre os adolescentes, é comum o uso de pastas laterais ou transversais, o que também precisa de atenção. Além de evitar o excesso de peso, é importante regular a alça da pasta para que não fique muito esticada e procurar intercalar os lados, trocando de ombro a cada 10 minutos. Os modelos transversais também devem ser intercalados.

Problemas que podem surgir

As crianças e adolescentes estão em fase de crescimento, por isto, a regulagem errada e/ou o excesso de peso nas mochilas pode causar alterações posturais e dores nas regiões lombar e cervical, além de patologias como hérnia de disco e artrose. “É importante pensar a prevenção porque já temos outros fatores agravantes para esses problemas, como o uso excessivo de celular e a má postura na frente do computador, da TV ou na carteira”, alerta.

Inclusive, sobre as carteiras escolares, o fisioterapeuta lembra que os professores podem observar e até corrigir alunos que estejam com a postura incorreta, além de providenciar carteiras próprias para estudantes canhotos. “O mau uso da carteira, principalmente no caso dos canhotos, pode acarretar problemas posturais no futuro, além de trazer desconforto, o que pode gerar falta de concentração para os estudos”, finaliza.

Colaboração: Vanessa Amando | NB Comunicação