InternetData CenterAssinante

Mesa redonda debate inclusão no Colégio Unesc

Evento encerrou 3ª Semana da Pessoa com Deficiência da Unesc
Mesa redonda debate inclusão no Colégio Unesc
Foto: Fagner Santos
Por Redação Em 28/09/2019 às 18:45

Para debater diversidade, acessibilidade e aceitação, os alunos do Ensino Médio do Colégio Unesc participaram, na sexta-feira, dia 27, de uma roda de conversa com o tema "Colégio Unesc: Diálogos e Reflexões por uma sociedade inclusiva". O evento ocorreu durante a aula de Atualidades dos estudantes, ministradas pela professora Wânia Ramos, encerrou a 3ª Semana da Pessoa com Deficiência da Unesc, que se iniciou no último sábado (21), Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência.

Durante o evento, os estudantes puderam conhecer as histórias de vida de colaboradores da Unesc e que possuem deficiência. Uma destas histórias foi a da Elizabeth Barbosa. Portadora de deficiência visual, ela, que atua como psicóloga do SAMA, acredita que discutir o tema é de grande importância para a erradicação do preconceito que o assunto levanta. “O preconceito é uma impressão prévia de algo que a gente não conhece, como tudo na vida, e isso inclui as deficiências”, disse a psicóloga. 

Para ela, a recompensa pelo debate é o entendimento e a aceitação por parte da sociedade. “Quanto mais se fala, mais conhecemos as pessoas e retiramos os preconceitos. Passamos a ver a todos como as pessoas que realmente são”, comentou Elizabeth.

Os convidados também compartilharam experiências de vida relacionadas a acessibilidade, aceitação social e dificuldades relacionadas às deficiências. “Quando eu estava no colégio, por exemplo, tinha que transcrever livros e apostilas em braile, e precisava que alguém me ditasse o que estava escrito”, relatou Elizabeth. Porém, com os avanços da tecnologia, algumas questões acabaram por serem facilitadas. “Agora, existem aplicativos que realizam a leitura de textos automaticamente”, exemplificou. 

Para aproximar pessoas 

Mesmo com os avanços tecnológicos ajudando a superar barreiras, a maior dificuldade encontrada por quem possui uma deficiência é a barreira social. E é aí que entra o diálogo. “É a partir da socialização de experiências que nos aproximamos uns dos outros e a fala nos permite romper barreiras e vivermos em uma sociedade ‘de’ e para ‘todos’”, argumentou a professora de Atualidades do Ensino Médio do Colégio Unesc, Wânia Ramos.

A atividade surgiu após discussão entre os alunos do 3º ano do Ensino Médio, em sala de aula, sobre as dificuldades de mobilidade em Criciúma. “Uma de nossas alunas trabalha com a interpretação de sinais (Libras) e trouxe a ideia de estarmos refletindo nesta sexta-feira, bem como utilizando vestimentas azuis em referência ao Dia Nacional do Surdo (26 de setembro)”, explicou Wânia que, em parceria com a professora do AEE do Colégio Unesc, Daiana Gobbo, organizou o evento. 

Inicialmente, o encontro abordaria apenas os surdos. “Resolvemos ampliar para toda e qualquer deficiência, visto que a luta por acessibilidade e compreensão é ampla e aborda muito além da deficiência auditiva”, pontuou Daiana.

Foi ela quem conduziu a mesa redonda. “Encerramos a 3ª edição desta semana especial na Unesc com este debate com os alunos, que buscaram dialogar e entender mais sobre o tema”, apontou Daiana, parabenizando o interesse dos estudantes. Ainda durante o evento, os alunos do 2º ano do Ensino Fundamental do Colégio Unesc apresentaram uma canção em Libras.

Com foco na formação integral 

Para a coordenadora pedagógica do Colégio Unesc, Carina de Freitas, o evento concretiza o objetivo do Colégio, que é a formação humana dos estudantes. “A mesa redonda proporcionou debates que contribuem para a formação integral dos alunos”, explicou Carina. O encontro também é uma forma de explorar conteúdos além da sala de aula. “Com o diálogo, podemos abordar temáticas sobre o respeito, a empatia, o amor. Ver a alegria dos alunos do 2º ano cantando em Libras foi emocionante, bem como todo o evento”, completou.

A abordagem da Educação Inclusiva apresenta extrema importância no contexto escolar. “O Colégio tem em seu planejamento pedagógico, ações que buscam a superação do preconceito e do desrespeito. As pessoas que hoje participaram deste diálogo mostraram pelo exemplo de vida, que são capazes de realizar qualquer ação ou atividade, e que as barreiras, são de origem social”, enfatizou a coordenadora geral do Colégio Unesc, Marlene Pires.

Ela também parabenizou as professoras envolvidas na atividade, além dos alunos por demonstrarem interesse no assunto e se dedicarem a combater o preconceito, bem como os pequenos do 2º ano pela apresentação em Libras.

A 3ª Semana da Pessoa com Deficiência na Unesc é um evento realizado pelo CER (Centro Especializado em Reabilitação), pela Secretaria de Diversidades e Políticas de Ações Afirmativas, pelo Colégio Unesc e pelo Sama, em parceria com o Codec (Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência) de Criciúma.

Colaboração: Imprensa Unesc