InternetData CenterAssinante

Após conquistar a etapa estadual da OBR, estudantes de Criciúma buscam a fase nacional

Além do 1º lugar, alunos do IFSC também conquistaram a medalha de bronze
Após conquistar a etapa estadual da OBR, estudantes de Criciúma buscam a fase nacional
Foto: Rafaela Custódio
Por Rafaela Custódio Em 24/08/2019 às 09:33

Quatro estudantes do curso técnico em Mecatrônica do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) do Câmpus Criciúma conquistaram a medalha de ouro na fase estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). Além deles, mais uma equipe formada por dois alunos trouxe a medalha de bronze para a cidade carbonífera. A competição foi disputada no último fim de semana, em Jaraguá do Sul. Ao todo, 11 equipes da instituição participaram da competição. 

A primeira colocada foi a equipe Robotron, formada por estudantes do 1º ano do curso técnico em Mecatrônica do Câmpus Criciúma. O grupo é formado por Kamylo Serafim, Kauã Librelato, Jean Carlos Nesi e Silvio Virtuoso. A 3º posição foi conquistada pela equipe Xtango, composta por João Henrique Alessio e Pedro Cordeiro.

O professor responsável por ajudar os alunos, Douglas Reis conta que cerca de 30 alunos divididos em 11 equipes participaram da OBR. “Não era obrigatório participar. Nós realizamos o convite e aceita quem tem vontade. Os robôs são montados nos períodos em que eles não estão em sala de aula. Muito alunos aceitaram o convite, mas apenas 30 concluíram o projeto”, conta. 

Reis lembra que a prioridade do IFSC eram os terceiros anos, isto porque eles concluem o ensino médio agora. “Essa foi a primeira vez que levamos os primeiros e segundos anos. Nossa meta sempre foi o terceirão. Nós distribuímos as peças para os alunos e eles se viram em programar e montar os robôs. Nós auxiliamos, mas não nos metemos no processo”, explica. “As melhores peças foram entregues para os terceiros anos, mas quem venceu a competição foram os alunos de uma turma do 1º ano e isso nos surpreendeu muito. Nós levamos eles para adquirir experiência para os próximos anos e eles já trouxeram o 1º lugar”, lembra. 

Como funcionou a Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR)? 

Em três rodadas, os robôs desenvolvidos pelas equipes precisavam percorrer pistas com dificuldades diferentes, desviando de obstáculos e resgatando objetos. Tudo isso de forma autônoma. Os estudantes, tinham o desafio de projetar e programar um robô capaz de desempenhar estas tarefas num menor intervalo de tempo.

“Nós não tínhamos experiência com o tema. Mas fomos pesquisar e buscar informações para conseguirmos construir nosso robô. Quase desistimos, mas no fim conquistamos o 1º lugar. Foi uma surpresa. Agora, temos dois meses para a etapa nacional que será realizada no Rio Grande do Sul em outubro. Vamos estudar mais e aperfeiçoar nosso robô”, explica Serafim. 

A equipe que conquistou o 3º lugar também ficou feliz com o resultado. “Nós já tínhamos um pouco de experiência com a robótica, mas não tínhamos tantas peças. Com estudo, conseguimos alcançar o 3º lugar. Foi a primeira vez que participamos de uma competição assim, então, é um resultado satisfatório”, destaca Alessio. 

Equipe Robotron ansiosa para a fase nacional 

Os próximos dois meses serão de estudos para os quatro integrantes da equipe Robotron. Eles precisarão melhorar o robô para a fase nacional. “Temos pouco tempo, mas não vamos mudar tanto a estrutura do nosso projeto, porque já conhecemos ela e na fase nacional passamos por uma bancada que teremos que explicar como fizemos a programação e cada detalhe, então, não podemos mexer tanto”, revela Librelato. 

O professor Reis comenta que o momento é de alegria e o resultado no nacional será apenas um detalhe. “Sabemos que existem escolas no país focadas em robótica. Mas vamos para o nacional com a intenção de ficar entre os dez melhores. Já é uma conquista para a equipe”, ressalta. 

A Olimpíada Brasileira de Robótica foi disputada no último fim de semana, em Jaraguá do Sul e nesta semana acontece a segunda etapa da modalidade teórica da competição, com provas nos câmpus Joinville, Criciúma, Chapecó e Florianópolis. 

Leia mais sobre: