Educação

Volta às aulas

CEIs da Afasc reabrem nesta quinta-feira

Crianças serão recepcionadas nas 33 unidades educacionais da entidade

07
FEV
2018
| 12h33
12h33
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
divulgação

Mais de 4,9 mil crianças matriculadas em Centros de Educação Infantil (CEIs) da Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc) retornam às salas de aula nesta quinta-feira, dia 8, a partir das 6h30. Para acolher os alunos com idade entre 0 e 3 anos e 11 meses, serviços de reparos e limpeza foram realizados nas unidades educacionais.

De acordo com a coordenadora do Departamento de Educação Infantil (DEI) da Afasc, Andreza Dagostim Silva, durante o ano letivo de 2018, as crianças serão acompanhadas por aproximadamente 800 profissionais. “Preparamos tudo para receber nossos alunos da melhor forma possível e melhorar o processo de ensino-aprendizagem. Também esperamos contar com o apoio dos pais durante o período de adaptação das crianças nas escolas”, conta.

As crianças atendidas pela Afasc recebem atendimentos psicológicos, odontológicos, fisioterapêuticos, fonoaudiológicos, além de cinco refeições diárias nos educandários. Nos 33 CEIs da entidade de assistência social, os estudantes serão beneficiados com atividades pedagógicas e culturais que visam desenvolver aspectos cognitivos, físicos, afetivos e sociais.

Colaboração: Jhulian Pereira / Comunicação AFASC

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
PROCURA-SEHorários de ônibus são alterados para prolongar atendimento à populaçãoManifestantes trancam Avenida Centenário, em CriciúmaPara economista, redução de impostos pode alavancar Reforma da Previdência Nações Shopping apresenta Exposição Internacional DragõesProtestos no Sul causam desabastecimento