navegue nos blocos da capa

Educação

Florianópolis

Pressão funciona e Estado engaveta o reordenamento

10
OUT
2017
| 17h56
17h56
Denis Luciano
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Mais de 1,5 mil professores foram até Florianópolis nesta terça-feira engrossar o movimento da categoria contra o reordenamento, proposta da Secretaria de Estado da Educação que vinha causando preocupação no magistério. À tarde, o secretário Eduardo Deschamps emitiu nota na qual confirma a revogação das orientações que estavam repassadas às gerências de Educação. “Foi uma grande vitória da mobilização dos professores”, comemora a coordenadora da regional de Criciúma do Sindicato dos Trabalhadores na Educação (Sinte), Kelly Pacheco.

“A luta não acabou. Pensamos que com esse recuo agora o Estado possa estar querendo ganhar um tempo”, adverte a sindicalista. “Mas com essa revogação as escolhas de aulas por professores efetivos, que começariam amanhã, estão canceladas, e tudo volta a ser como era antes”, exalta.

O reordenamento estabelecia alterações substanciais no trato com os professores readaptados, que em licença de saúde perdiam a prioridade por vagas consolidadas em suas escolas de origem; modificava a gestão com professores com duas habilitações e mudava a orientação sobre carga horária, acarretando perdas salariais para a categoria. “Esse reordenamento seria o caos para a gestão de escolas em Santa Catarina”, lembra Kelly. 

O que mudaria

No caso dos professores em tratamento de saúde, eles perderiam vínculos com a escola de origem, enquanto o profissional com duas habilitações seria obrigado a escolher apenas uma para dar aula, perdendo salário, e quem ingressou nos quadros do Estado há uma década com dez horas aula e vinha cumprindo 40 precisaria retornar à carga original, acarretando da mesma forma queda nos vencimentos.

A categoria concentrou-se nesta terça na praça Tancredo Neves, em Florianópolis, e depois deslocou-se em passeata pelas ruas centrais da Capital até a Secretaria de Educação, onde uma comissão foi recebida pelos representantes do Estado. Da região de Criciúma foram 14 ônibus lotados para o ato.

Outra vitória: faltas abonadas

As faltas resultantes da greve de 2015 dos professores serão abonadas do sistema, anunciou hoje o secretário Deschamps. “É outra vitória do movimento, um bom presente de Dia do Professor”, enalteceu Kelly. A coordenadora lembrou que a manutenção das faltas no sistema da secretaria emperrava a progressão das carreiras dos professores. “Já fizemos a reposição dessas aulas na época mas as faltas ainda estavam lá, no sistema, criando problemas para licença prêmio e outros benefícios. Com essa retirada conseguimos retomar nossa vida funcional”, concluiu.

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
​​Audiência no Banco Mundial discute investimentos para Santa CatarinaCriciúma unida pela magia do NatalCrianças receberão bonecas de pano neste domingoPolícia Civil De Criciúma em FestaGrupo Forauto realiza campanha Natal em DobroApós inauguração, trânsito é liberado no acesso Içara - Criciúma