InternetData CenterAssinante

Moacir Dagostin sobre prorrogação de isolamento social: ‘Uma angústia muito grande’

Acic defende isolamento de grupo de risco e retomada das atividades econômicas
Moacir Dagostin sobre prorrogação de isolamento social: ‘Uma angústia muito grande’
Foto: Divulgação
Por Lucas Renan Domingos Em 30/03/2020 às 10:31

Na última quinta-feira, dia 26, o governador Carlos Moisés havia anunciado que a quarentena em Santa Catarina chegaria ao fim na próxima quarta-feira, dia 1º. A intenção era que os setores voltassem a funcionar ainda obedecendo regras sanitárias. Mas nesse domingo, dia 29, em reunião com prefeitos, Moisés recuou e determinou a manutenção do isolamento social por mais sete dias, permanecendo até o dia 8 de abril. A decisão pegou de surpresa os empresários, que já se preparavam para reiniciar os trabalhos em seus negócios.

Em entrevista ao Programa João Paulo Messer, na Rádio Eldorado, o presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin, usou a palavra “angústia” para expressar o sentimento dos associados.

“É um momento muito difícil para todos nós, porque, na verdade, estamos vivendo duas crises. Temos a parte da saúde e do outro lado tempos uma crise da economia, do lado empresarial. Está havendo uma angústia muito grande dos empresários com as medidas que estão sendo tomadas. Estavam todos aguardando que a retomada acontecesse a partir do dia 1º. Essa postergação trouxe mais angústia ainda. E o setor empresarial ainda está tentando entender”, relatou o presidente.

Enquanto representante dos empresários e conversando com o setor, a Acic defende que as empresas voltem a produzir e que seja mantido o isolamento das pessoas mais vulneráveis ao coronavírus. “Entendemos que poderia ter a convivência com o grupo de risco ficando em casa e as pessoas que pudessem trabalhar ir retomando as suas atividades normalmente. O que está acontecendo também é que a indústria está autorizada a trabalhar com 50%. Só que muitas vezes não consegue trabalhar por falta de componentes que vem de outras regiões, de outros fornecedores. E ela não consegue também colocar essa mercadoria para fora porque o comércio está fechado”, destacou.

Leia mais:
Bancos e lotéricas abrem nesta segunda-feira, mas com recomendações de segurança e higiene
Criciúma recebe mais 6,5 mil doses de vacinas para campanha contra a influenza

Durante a quarentena, o 'caminhão precisa andar'

Outra preocupação da Acic está relacionada aos compromissos que as empresas precisarão cumprir na próxima semana. É o período agendado para pagamento da folha salarial do mês de março. “As soluções que estão sendo apresentadas estão demorando a chegar na porta do empresário. O acesso do recurso do Badesc, ele depende de uma garantia do empresário. Normalmente o empresário não tem essa garantia. Se ele tiver, ele vai ter que fazer o contrato com o Badesc, que vai levar alguns dias, e depois esse documento tem que ser registrado no cartório. O cartório está fechado”, analisou Dagostin.

“As medidas para pagamento de folha salarial para micro e pequena empresa são ótimas, mas ainda não foram efetivadas. A folha de pagamento você paga na próxima semana. Estamos todos buscando uma forma de sobreviver. Confesso para vocês, como presidente da associação empresarial, a gente vive uma avalanche de desespero de muitos empresários que não sabe o que fazer”, emendou.