InternetData CenterAssinante

Pesquisa aponta que 46,5% dos empresários devem efetivar empregados temporários

Projeção é de que 2,2 mil vagas sejam criadas em Santa Catarina durante o fim do ano
Pesquisa aponta que 46,5% dos empresários devem efetivar empregados temporários
Foto: Divulgação
Por Lucas Renan Domingos Em 13/11/2019 às 16:26

A chegada das festas comemorativas do fim de ano movimenta as vendas do comércio, mas também a geração de emprego. Buscando aumentar o quadro de funcionários para o período, para atender conseguir atender mais clientes, os empresários apostam nas contratações temporárias.

Em Santa Catarina, segundo pesquisa a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio SC), aproximadamente 2,2 mil vagas devem ser criadas no Estado. A boa notícia é de que 46,5% dos empresários afirmaram que existe a possibilidade de efetivação desse trabalhador temporário.

“A maioria das contratações iniciam agora em novembro, porque a movimentação do comércio começa a se intensificar e crescer em dezembro. Em muitos casos, depois a empresa segue com o funcionário. É uma estratégia para conseguir melhorar o atendimento”, projetou a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma, Andrea Salvalaggio.

O mês no qual ocorrerá o maior número de contratações será o mês de dezembro, com 59,4% das contratações. Igualmente, dezembro será o mês no qual os contratos mais terminarão. Assim, é possível afirmar que a maior parte das contratações se dará para atender o aumento da demanda do Natal e do fim de ano.

Ainda de acordo com a Fecomércio SC, a média de funcionários contratados entre os entrevistados ficou em 3,06 trabalhadores. Os dados foram coletados nas cidades de Florianópolis, Itajaí, Blumenau, Joinville, Criciúma, Lages e Chapecó. “Não recebemos o número exato de empregos temporários que serão efetuados em Criciúma. É uma informação que os associados não nos repassam. Mas elas devem ocorrer e em bom número. Estamos com uma expectativa neste ano, após anos de recessão, seja um pouco melhor”, analisou a presidente.