Economia

Brasil

Perda anual com acidentes e doenças do trabalho chega a R$ 264 bilhões

Mais de R$ 26 bilhões foram com gastos previdenciárias e R$ 315 milhões em dias perdidos

11
MAR
2018
| 15h00
15h00
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

De 2012 até 2017, cerca de 15 mil trabalhadores não voltaram para casa, no Brasil, entrando para a estatística de vítimas de acidentes de trabalho fatais. "Além da perda de mais de 15 mil vidas humanas, são 2.500 famílias que ficam órfãs a cada ano devido à negligência de empregadores que não consideram o trabalho seguro como condição para o trabalho digno", alertou o procurador-geral do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ronaldo Fleury.

No mesmo período, foram quase 4 milhões de acidentes e doenças do trabalho, gerando um gasto maior que R$ 26 bilhões somente com despesas previdenciárias e 315 milhões de dias de trabalho perdidos. "Estima-se que o país perde R$ 264 bilhões, anualmente, com acidentes e doenças do trabalho, o que corresponde a 4% do Produto Interno Bruto", revela o procurador do Trabalho Luís Fabiano de Assis, responsável pelo observatório.

Para Ronaldo Fleury, a ferramenta, que é alimentada automaticamente por meio de cruzamento de dados públicos, permite ao próprio governo elaborar políticas públicas mais dirigidas e eficazes na área da saúde e da segurança do trabalho. "Um país que esconde a sua realidade é um país fadado ao fracasso. Precisamos reconhecer nossas fragilidades para termos melhores condições de trabalho em um meio ambiente mais seguro para todos", destacou o PGT.

Segundo o observatório, a maior parte dos acidentes entre 2012 e 2017 foram causados por máquinas e equipamentos (15%), atividade em que as amputações são 15 vezes mais frequentes e que gera três vezes mais vítimas fatais que a média geral. Para o procurador Luis Fabiano de Assis, "os dados demonstram a carência de medidas de proteção coletiva e de políticas de prevenção específicas para máquinas e equipamentos".

Colaboração: Assessoria de Comunicação Social Procuradoria Geral do Trabalho

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Aprendizado e solidariedade: Aulão do Bem acontece neste sábadoSicredi abraça a doação de sangue no Dia C de CooperarCorolla roubado em Forquilhinha é recuperado em Araranguá Galeria de fotos: mande a sua foto no clima da Copa do MundoTreviso recebe espetáculo gratuito nesta quinta-feiraIdosos são presenteados com violetas