navegue nos blocos da capa

Economia

Operação Inar

Fazenda aciona Justiça e polícia para fiscalizar empresa no Sul do Estado

13
JAN
2018
| 11h03
11h03
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Uma equipe de fiscalização da Secretaria de Estado Fazenda precisou acionar a Justiça e as polícias militar e civil para conseguir concluir a operação Inari, em Turvo. O contribuinte envolvido é recorrente em autuações fiscais por promover o transporte e entrega de arroz sem o acompanhamento de documentos fiscais.

“Fomos até a empresa com a suspeita de que ela continuava operando na comercialização sem a devida emissão de notas fiscais ou emitindo os documentos com valores inferiores aos devidos. Mas os trabalhos de obtenção de informações fiscais, cópia de documentos e de mídias digitais foi dificultado após a chegada do contador e do advogado do contribuinte”, relata o auditor fiscal Felipe Naderer.

Diante do embaraço à ação fiscal, a equipe de fiscalização solicitou auxílio da Polícia Militar e da Polícia Civil de Turvo. Além disso, comunicou o fato à Promotoria Regional da Ordem Tributária do Ministério Público do Estado de Santa Catarina, que solicitou ordem judicial para a continuidade do cumprimento da diligência fiscal, prontamente deferida pelo Poder Judiciário.

Os dados dos computadores apreendidos serão copiados com equipamentos que impedem alteração de informações na mídia original para posterior análise dos auditores fiscais.

O gerente de fiscalização da Fazenda, Rogério Mello, explica que cabe aos auditores fiscais proceder às verificações fiscais independentemente de suspeita de fraudes e confrontar os fatos geradores realizados pelos contribuintes com os valores que estão sendo declarados e recolhidos de imposto. “Constatadas divergências, temos o dever funcional de lançar o tributo sonegado com a multa e juros cabíveis”, afirma Mello.

Em 2017, foram realizadas 275 operações fiscais para cobrar os valores de imposto que são devidos à sociedade em forma de educação, segurança, saúde, infraestrutura, entre outros serviços públicos.

Nome da operação

Inari lembra divindade do arroz e do êxito. O nome foi escolhido diante do principal produto comercializado pela empresa envolvida.

Colaboração: Aline Cabral Vaz / Comunicação Secretaria de Estado da Fazenda

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Vindima Goethe começa nesta sexta-feiraCriciúma ganha nova opção gastronômicaEduardo Pinho Moreira autoriza revitalização da SC-445Estudantes devem realizar recadastramento do CriciumacardAcidente é registrado na BR-28510ª Vindima Goethe: Circuito das Artes é mais um atrativo