navegue nos blocos da capa

Economia

Criciúma

Vale do Carbono: o berço da inovação e tecnologia no sul catarinense

Crescimento do número de startups e envolvidos com empreendedorismo criou “ecossistema”

17
MAR
2017
| 17h39
17h39
Amanda Garcia Ludwig
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Douglas Saviato

O empreendedorismo, a tecnologia e a inovação são cada vez mais discutidos no mundo. A região do Vale do Silício, localizada na Califórnia, nos Estados Unidos, atraiu nos últimos anos empreendedores de todas as áreas do mundo todo. Cresceram lá empresas como Google, Facebook, Apple e Yahoo. O Brasil já tem recebido anualmente grandes eventos da área, como o Campus Party e o RD Summit – realizado em Florianópolis.

Em Santa Catarina, Criciúma é uma das cidades que vem ganhando destaque no cenário das startups (empresas recém-criadas, em fase de desenvolvimento). Em 2016, a cidade recebeu eventos como Startup Weekend, TEDx, ExpoMais, Elevation Summit e Feira da Inovação da Unesc. Cada um deles tem seus diferenciais, mas os objetivos são parecidos: reunir pessoas interessadas em discutir o empreendedorismo e buscar inovações em suas respectivas áreas.

Vale do Silício nos Estados Unidos, Vale do Carbono no Brasil

Toda a movimentação que essa área vem apresentando nos últimos meses na região sul de Santa Catarina fez com que a Amrec ganhasse o apelido de “Vale do Carbono”, uma clara referência à região que teve, em determinada época, seu desenvolvimento baseado na exploração do carvão.

Desde o último ano, todas as quintas-feiras, jovens, empresários e estudantes reúnem-se para participar do Conexão Startup – realizado atualmente na Plurall. De acordo com um dos organizadores do evento, Valmor Rabelo, durante os encontros o pessoal discute e compartilha negócios, apresenta cases e participa de discussões produtivas sobre o assunto. “Está havendo um movimento que, aos olhos de quem está de fora, é espalhado. Para que está envolvido, é diferente. É algo organizado, esquematizado, e todos tem o mesmo objetivo: criar um ecossistema”, explica.

Este ecossistema, explica Rabelo, envolve um conjunto de atores, personagens, entidades e atividades tanto na Amrec quanto na Amesc. Todos eles em busca de promover o empreendedorismo inovador e o desenvolvimento da tecnologia na região. “Esse ecossistema está fundamentado em três pilares: academia, que são universidades e faculdades que geram a inteligência, matéria-prima para isso; entidades empresariais como Acic, CDL, Ampe, Aje e ACI; e governos municipais e estaduais.”

Incubadoras ajudam startups a saírem do papel

Rabelo é, também, proprietário da incubadora criciumense InSite. Ele explica que uma incubadora ajuda o empreendedor a transformar uma ideia bacana em algo de valor agregado. “Essa ideia precisa sair da cabeça, ir para o papel e começar a ser executada. A partir daí, um protótipo é desenvolvido para ser validado no mercado, antes de o produto real ser distribuído no mercado. A incubadora possui as ferramentas para isso”, conta.

O procedimento realizado em uma incubadora visa a escalabilidade para que o negócio cresça de forma rápida. Esta é a diferença entre uma startup e uma indústria ou um comércio tradicional, explica Rabelo. “Este é um novo modelo de prestação de serviço. Os jovens que investem nisso não pensam mais naquele padrão de trabalhar em horário comercial. Eles trabalham de forma diferenciada e trazem resultados fantásticos.”

A empresa Simples Dental surgiu como startup em Praia Grande e hoje está estabelecida em Criciúma. Ela foi uma das incubadas da InSite e hoje é o maior sistema de gestão de clínicas odontológicas da América Latina. A empresa atende atualmente 3,5 mil clínicas e tem uma média de 12 mil usuários, segundo um dos quatro sócios, Gélio Júnior.


Maior do ramo da América Latina, a Simples Dental está instalada em Criciúma. Foto: Douglas Saviato

O sistema da Simples Dental faz a gestão completa da clínica odontológica. Um dos serviços oferecidos, por exemplo, é o de agendamento. Duas horas antes da consulta o paciente recebe um SMS para não esquecer da consulta e confirmar se estará lá ou não. Atualmente com 23 pessoas trabalhando na empresa, a previsão é que a Simples Dental chegue ainda neste ano na Europa e em outros países da América Latina.

“O mundo todo vem investindo em startups, e esse modelo chegou com força total no Brasil. Florianópolis já é referência nacional no assunto, e estamos trazendo isso para Criciúma. Queremos que a cidade se desenvolva. O principal para sermos o Vale do Carbono é que sejamos uma comunidade e que tenhamos muita gente falando sobre o isso e incentivando cada vez mais o assunto empreendedorismo”, diz Gélio Júnior.

A universidade como incentivadora do crescimento

A Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) faz grandes investimentos na área da inovação e tecnologia. Há seis anos a universidade criou a incubadora do Iparque (parque científico e tecnológico). Além disso, a Unesc criou também o Núcleo de Empreendedorismo que busca trabalhar a educação empreendedora e apoiar e orientar programas direcionados a esta área.

De acordo com a coordenadora do núcleo, Gisele Silveira Coelho Lopes, através de um programa de mentoria a universidade fomenta apoios técnicos para novas ideias, tanto de seus alunos quanto da comunidade externa. “São duas fases: um auxílio e discussão no modelo de negócios e o desenvolvimento de um plano de negócios, e a segunda fase é a pré-incubação. Trabalhamos em um programa de 60 dias, e o empreendedor sai do programa de mentoring com um plano de negócios validado. A partir daí ele pode incubá-lo”, explica.

A analista-administrativa do Iparque Suzete Eyng explica que dentro do parque tecnológico existe uma incubadora (a ITEC.in), e que as startups podem passar por um processo seletivo (os editais são lançados todos os anos) para participar da incubação. “Os laboratórios dão suporte ao incubado, que também tem a vantagem de estar dentro da universidade e trocar ideias com professores que estão no local diariamente”, diz.

Luiz Rodeval Alexandre é proprietário da empresa Eposs, uma das empresas incubadas na ITEC.in. Ele foi o primeiro incubado do local, e está no Iparque há quatro anos. Sua empresa atua no segmento da biotecnologia e energia alternativa, e tem como missão desenvolver soluções em tecnologias e inovações. “É muito difícil uma ideia crescer sem estar em um ambiente como este. O capital intelectual é o que mais precisamos. A partir daí, você tem para onde levar sua ideia.”


A Eposs está incubada no Iparque há quatro anos. Foto: Amanda Garcia Ludwig

A individualidade sai de cena

Em fevereiro deste ano Criciúma ganhou um novo espaço colaborativo, a Plurall Coworking. A diretora Gabriela Zapelini explica que a ideia surgiu há três anos, mas só foi colocada em prática recentemente porque foi quando Criciúma começou a receber os eventos de tecnologia. "Todo o espaço foi pensado em conjunto desde o começo. Os proprietários, arquitetos e publicitários trabalharam juntos. Achamos que o nome Plurall resumia muito bem a ideia, por ser algo que traz a ideia de sempre ter algo mais e somar tudo", conta.

O empreendimento dispõe de 30 estações de coworking e sete offices, oferece infraestrutura e a possibilidade de trabalhar de forma colaborativa a profissionais autônomos, start-ups e empresas. Algumas, inclusive, já estão no local, como é o caso da InSite (citada no início desta matéria), Cliente Amigo (assessoria de atendimento ao cliente para empresas), Blue (agência de publicidade), DotFile – cloud storage (tecnologia) e Fastplay (gráfica expressa).  


A Plurall Coworking fica no bairro São Luiz, em Criciúma. Foto: Maykol Cardoso

O presidente da Associação de Jovens Empreendedores (Aje) de Criciúma, Mário Westrup, conta que Criciúma possui atualmente o maior núcleo jovem empreendedor do sistema Fiesc, com 77 associados. “Estamos vendo uma mudança na cultura econômica da região. A Aje surgiu dentro da área industrial e comercial, mas precisamos estar ligados à inovação e empreendedorismo também. Já podemos perceber o ecossistema influenciando tanto na Aje quanto nos valores locais.”

Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Criciúma lança uniforme para a Série BPalestra de Celso Bandeira encerra 18ª Conferência da AdvocaciaPolícia elucida homicídio de jovem em frente a casa noturnaO carro encontrou o caminho errado no CentroCadeiras são reformadas para atletas do Handebol sobre rodasMuseu de Zoologia da Unesc lança cartilha para professores