navegue nos blocos da capa

Economia

Don Pettine

De gari a empresário do ramo da beleza

Daniel Delfino é pioneiro no Sul do Estado no segmento barbershop

19
OUT
2017
| 23h29
23h29
Marcelo De Bona
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Divulgação

Natural de Imaruí, Daniel Delfino é pioneiro no Sul do Estado no segmento barbershop. No entanto, o caminho das pedras até montar em Criciúma a conceituada barbearia Don Pettine não foi nada fácil.

“Já fui gari, vendedor de jornal, empacotador. Trabalhei numa loja de material de construção, como ajudante, carregava saco de cimento e tive um problema de coluna. Na época tinha 20 poucos anos, e não pude mais trabalhar com serviço pesado. Comecei na profissão de barbeiro, meio forçado, devido a esse problema na coluna. Meu irmão mais velho já era barbeiro e me incentivou a abrir uma barbearia. Até hoje, ele tem barbearia na Mina do Mato”, conta.

Delfino revela que quando decidiu montar a sua primeira barbearia não tinha dinheiro e contou com a colaboração de familiares. “Morava de favor na casa da minha irmã, aqui em Criciúma, na Operária Nova. Ela emprestou os cheques para comprar a cadeira de barbeiro e um balcão bem simples, e me deu um sofá usado. Encontrei um ponto na Santos Dumont e abri a barbearia no dia 16 de setembro de 2000. Era um sábado. Meu cunhado emprestou o dinheiro para o troco. Na semana seguinte devolvi o dinheiro do troco e depois consegui quitar o valor dos cheques emprestados”, relembra Daniel.

Após montar a barbearia, Daniel não se acomodou e ficou pensando em alternativas para não ficar apenas oferecendo a seus clientes o tradicional 'barba, cabelo e bigode'. “Sempre fui curioso e comecei a pensar em como oferecer um serviço diferenciado. Depois, com muitos clientes voltando, eu não conseguia atender a todos. Então, em 2010, resolvi treinar meu cunhado, o Josué, para trabalhar comigo. Comecei a visitar grandes feiras do setor de beleza, mas os eventos eram voltados apenas para salão de beleza feminino, não tinha nada para barbearia. O mercado masculino era ignorado. Mesmo assim, tirei algumas lições e trouxe para a barbearia, comprei cadeiras modernas, colocamos sala de espera, secretária, agendamento, frigobar, cartão de crédito, ar-condicionado. Percebi que o cliente estava disposto a pagar um pouco mais por um serviço diferenciado. Nessa época já tinha em mente o layout do que seria a Don Pettine, só não tinha o dinheiro ainda para colocar em prática”.

“Sabia que seria uma questão de tempo para esse mercado explodir. Aos poucos, começou a surgir algo para o público masculino nas feiras. Foi crescendo ano após ano. Agora, em setembro, estive na BeautyFair, uma das maiores feiras do Brasil, e cerca de 25% era voltado ao público masculino. O Brasil está crescendo muito neste segmento, e estamos caminhando para em 2019 ser o país do mundo com maior mercado, cerca de R$ 19 bilhões”, completa.

Inauguração da Don Pettine

Após atuar por 11 meses na sua primeira sala. A Barbearia Daniel mudou para um local maior, ainda na Avenida Santos Dumont. “Era um ponto de mais destaque, onde permaneci por 15 anos. Minha esposa trabalhou um tempo junto, fazendo a parte feminina. Depois montamos outro espaço apenas para a parte feminina, porque o trabalho e o público é diferente. Em março de 2016, saímos de uma sala de 27 m² para 120 m² e inauguramos a Don Pettine”.

"É um nome de origem italiana, ‘O Senhor Pente’. O nosso cliente já conhecia esse conceito de fora. Ele tem o perfil de quem viaja muito, é descolado, mas não encontrava esse serviço em Criciúma. Contratamos mais dois profissionais, além do Josué e eu. Recebemos um público novo muito bom e fechamos o ano com sete barbeiros e uma esteticista”.

Após um ano da inauguração da Don Pettine, uma filial da barbearia foi inaugurada no Nações Shopping.

Linha de cosméticos

Atualmente, além dos serviços diferenciados, a Don Pettine conta com uma linha de produtos, como: pente de madeira, shampoo e óleo para barba, pomada para cabelo, além de prótese capilar. “Nosso cliente é muito exigente com a aparência e usa muitos cosméticos”.

Projeção futura

Delfino não descarta expandir a Don Pettine para outros pontos da cidade. Mas ressalta que tudo precisa ser feito com muita cautela para manter o padrão de qualidade. “Existe uma moda e para montar uma estrutura bacana basta ter dinheiro. Existe uma demanda, mas poucos profissionais disponíveis. Trabalho com um tripé: profissional qualificado, atendimento de excelência e ambiente agradável. Existe mercado, mas acaba travando muito na mão de obra. Estamos analisando com muito cuidado. Possivelmente, vamos expandir. Quero os melhores trabalhando comigo. É preciso ter prática e mostrar uma técnica de alto nível para ter vaga na Don Pettine”, destaca.

Segundo Daniel, é necessário estar sempre em busca de conhecimento para não ficar para trás no mercado. “Quando comecei, fiz um curso básico. Nesse curso não se aprendia a fazer barba, peguei muito com o meu irmão. Depois aprendi fazendo. Em 2010, em Florianópolis, fiz alguns cursos de aperfeiçoamento. A maioria do pessoal da minha equipe e eu também temos o curso da Pivot Point de Chicago, uma escola internacional, que dá cursos para quem quer trabalhar em alto nível. Tenho 17 anos como barbeiro, mas tenho a humildade de aprender. É preciso sempre estar em busca de novos conhecimentos”.

“Quando iniciei, havia, basicamente, quatro tipos de corte: o surfistinha, máquina na base e tesoura em cima, todo com tesoura, ou raspado. Hoje, o corte de cabelo é personalizado, de acordo com o formato de cada rosto. Muitos clientes também chegam com uma foto, e nós orientamos sobre a possibilidade de fazer o corte, conforme o cabelo dele. Não adianta o cliente sair da barbearia com um cabelo finalizado, bacana, e depois no dia a dia ele não conseguir arrumar direito. Temos que ter essa percepção, porque o nosso cliente é o nosso outdoor ambulante”, completa.

Cuidando do visual dos jogadores do Tigre

Daniel diz que sempre teve o sonho de atender os jogadores do Criciúma. Após 15 anos atuando como barbeiro, o seu desejo foi realizado, e de uma forma inusitada. “No final de 2015, fiz um vídeo de divulgação da barbearia e lancei nas redes sociais. A esposa do goleiro Luiz viu e me indicou. Ele gosta de usar barba e estava com dificuldade de encontrar um profissional. Ela ligou e agendou um horário. Ele estava na minha agenda e eu teria que sair para resolver um problema. Falei para o Josué, que cuida da barbearia do Nações Shopping, que eu teria que sair e que era para ele atender um tal de Luiz. Quando fui sair da barbearia dei de cara com o Luiz na porta. Então, o compromisso ficou para depois e dei início a uma grande amizade”, recorda.

Desde então, Daniel Delfino faz a cabeça de grande parte do elenco do Tigre. “Falei para o Luiz que me colocava à disposição para ir na concentração na véspera dos jogos para cuidar da aparência deles, já que no dia dos jogos existe uma grande exposição na mídia. No dia seguinte já comecei a frequentar o Centro de Treinamento para atender os jogadores. Muitos deles também frequentam a barbearia, é algo bacana”.

Don Pettine do São Luiz

Avenida Santos Dumont, 2.106
Segunda a sexta-feira, das 9 horas às 21 horas
Sábado das 9 horas às 16 horas
Agendamento: (48) 99904-7122 ou (48) 3413-5461

Don Pettine Nações Shopping

Segunda a sábado, das 10 horas às 22 horas
Domingos e feriados, das 14 horas às 20 horas
Agendamento: (48) 99127-2658 ou (48) 2101-8363 

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Studio Voga promove a magia com Espetáculo Velha InfânciaA excelência dos vinhos da serra catarinense e da gastronomia à mesaNovos serviços ou até venda no futuro do ComplexoO alto risco de não ter TV no Catarinense 2018Tarde de orientação e prevenção aos agricultoresAlça do Anel Viário com asfalto só em 2018