navegue nos blocos da capa

Economia

Santa Catarina

Colombo reúne secretários para avaliar impactos da Operação Carne Fraca

Estado comercializa carnes para todo o Brasil e mais de 150 países

19
MAR
2017
| 20h04
20h04
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições
Fotos: James Tavares/Secom

O governador Raimundo Colombo se reuniu, neste domingo à tarde, com os secretários da Agricultura, Moacir Sopelsa, da Fazenda, Antonio Gavazzoni, da Casa Civil, Nelson Serpa, e da Comunicação, João Debiasi, o secretário adjunto da Agricultura, Airton Spies, e os presidentes da Cidasc, Enori Barbieri, e da Epagri, Luiz Hesmann, para avaliar os reflexos da operação Carne Fraca para Santa Catarina.

Colombo disse que a rigorosa fiscalização dos produtos de origem animal no Estado sempre buscou garantir a qualidade na produção e na comercialização dos produtos. “Esse rigoroso controle permitiu que Santa Catarina conquistasse o mercado brasileiro e o de mais de 150 países. Temos uma tradição consolidada pelo trabalho e dedicação do povo catarinense”, afirmou o governador.

Raimundo Colombo manteve contatos frequentes com o presidente Michel Temer e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que estavam reunidos em Brasília tratando do mesmo assunto. “Não vamos abrir mão de preservar a saúde dos nossos consumidores, mas também não podemos abrir mão dos empregos que a agroindústria gera e de proteger as famílias produtoras”, reforçou.

No encontro, realizado na Casa da Agronômica, o presidente da Cidasc disse que todas as 600 empresas de produção de carnes do Estado contam com um médico veterinário responsável pela inspeção. “Os produtos das agroindústrias de Santa Catarina são absolutamente seguros para o consumo”, afirmou Barbieri.

Nova reunião nesta segunda-feira 

Nesta segunda, às 17:20, o governador promove uma reunião para tratar do assunto na Casa da Agronômica. Participam o superintendente do Ministério da Agricultura (Mapa) em SC, Jacir Massi, o chefe da Divisão de Defesa Agropecuária do Mapa, Fernando Luiz Freiberger, a presidente do Sindicato das Indústrias de Carnes, Irani Peters, e o secretário-geral do Sindicarnes, Ricardo Gouvêa, os presidentes da Associação Catarinense dos Avicultores, José Antônio Ribas Júnior, da Federação da Agricultura, José Zeferino Pedrozo, da Federação das Indústrias, Glauco Côrte, da Federação dos Trabalhadores na Agricultura, Walter Dresch, e os dirigentes da Associação Catarinense dos Supermercados.

Pelo governo, participam o secretário da Agricultura, o secretário adjunto da Agricultura, os presidentes da Cidasc e da Epagri, o diretor de Qualidade e Defesa Agropecuária, Hamilton Farias, e a diretora da Vigilância Sanitária da Secretaria da Saúde, Raquel Bittencourt.

Moacir Sopelsa afirmou que, por ser um Estado rigoroso na fiscalização da produção e o único do país com o título de zona livre de febre aftosa - o que garantiu acesso aos mercados mais exigentes do mundo -, Santa Catarina pode ser um dos mais prejudicados por essa crise.

Colaboração: Secom

Leia mais sobre:
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Nova Veneza ganha nova opção de hospedagemNo aniversário de 10 anos, Sesi Academia oferece descontos e vantagensUm complexo terapêutico que nasce de um leilãoHSJosé ganha nova PraçaCurso traz ensinamentos teóricos e vivências dos chakras Carro incendeia após colisão em muro