InternetData CenterAssinante

Verba viabilizará início das obras de binário

Delegação da Fonplata estará em Criciúma de 26 a 28 para avaliar projetos
Verba viabilizará início das obras de binário
Foto: Ioton Neto
Por Amanda Garcia Ludwig Em 21/04/2016 às 16:50

Uma verba de 17.250 milhões de dólares provenientes de um financiamento junto ao Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata) deve viabilizar o início das obras do sistema binário da avenida Santos Dumont, em Criciúma, nos próximos meses. A verba terá uma contrapartida do mesmo valor da prefeitura de Criciúma, o que totaliza mais de 34 milhões de dólares destinados à obra.

Nos dias 26, 27 e 28 uma delegação do Fonplata estará na cidade para discutir e estudar o projeto. Segundo o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, Jader Westrup, esta obra faz parte da 1ª etapa do projeto Criciúma 2050, que tem como foco a mobilidade urbana do município. “Este projeto já foi apresentado em Brasília e recebemos a autorização do Ministério do Planejamento para a captação de recursos”, destaca.

A previsão é que a obra tenha duração de cerca de um ano e meio. “Como a vinda desta verba já está em fase de análise e contratação, a obra deve começar nos próximos meses e será concluída entre 2018 e 2019”, avisa Westrup. De acordo com o secretário de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, José Sérgio Búrigo, o projeto também possui as licenças ambientais e questões fiscais aptas para o início da construção.

O projeto – O binário se estende da Avenida Santos Dumont até a Rua Carlos Pinto Sampaio. Esta estrutura se junta com a duplicação das avenidas Imigrantes Poloneses e Miguel Patrício de Souza até a Avenida Centenário (terminal de ônibus da Próspera), totalizando quase oito quilômetros.

O diretor de Convênios da prefeitura de Criciúma, Vagner Espíndola, explica que o financiamento do Fonplata foi escolhido após diversos estudos. “O prazo de carência é de pelo menos quatro anos, e os juros são menores do que os de mercado. Foi um financiamento feito com os pés no chão, para que fosse um ótimo negócio”, avalia.