InternetData CenterAssinante

Eólica: Energia renovável será debatida com o governador

Com investimentos iniciais de R$ 800 milhões, os detalhes da obra serão repassados ao chefe do executivo no Estado
Eólica: Energia renovável será debatida com o governador
Foto: Divulgação
Por Redação Engeplus Em 21/09/2015 às 15:22

O Complexo de Energia Eólica, em Laguna, será tema de uma audiência entre os prefeitos Everaldo dos Santos, de Laguna; Olavio Falchetti, de Tubarão; Moacir Rabelo, de Capivari de Baixo; Luiz Napoli, de Jaguaruna, e o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo. A reunião está agendada para está quarta-feira, dia 23, às 15h30min, no Palácio da Agronômica, em Florianópolis.

Com investimentos iniciais de aproximadamente R$ 800 milhões, os detalhes da obra serão repassados ao chefe do executivo no Estado. A obra impulsionará o desenvolvimento econômico de toda a região. O diretor do Grupo Open, de Porto Alegre (RS), Leo Riffel, um dos investidores, também participará do encontro. Ele repassou aos prefeitos, no último dia 11, tópicos do projeto, que inicialmente será construído na região da Madre, em Laguna. É um ponto de divisa entre os quatro municípios. Um estudo de viabilidade do complexo será apresentado para o governador.

Cerca de 20 quilômetros de estradas precisarão ser abertos para que o material para a construção das torres sejam levados até o complexo. “Além disso, há um projeto de uma ponte de concreto sobre um trecho do Rio Congonhas. Esta obra será executada com recursos privados, mas ficará para a comunidade”, destaca o investidor.

Para transformar a energia do vento em energia útil, o projeto do Complexo Eólico Nova Laguna, que prevê a instalação de 65 aerogeradores com hélices de 55 metros, depende do aval de um leilão previsto para novembro. Caso não haja aprovação neste leilão, o Grupo Open já está cadastrado para participar de outros dois no próximo ano, em janeiro e em maio.

Serão gerados cerca 800 empregos diretos no período de implantação do complexo. Após a conclusão, previsto para 2018, 150 funcionários diretos serão mantidos. “Este complexo vai gerar empregos, melhorar a questão da mobilidade e fomentar o setor turístico, já que as torres serão aponta”, aponta Everaldo.

(Colaboração / Texto: Comunicação Laguna)