InternetData CenterAssinante

No ‘novo normal’, Chapecoense e Criciúma é duelo de azarões

Com ano instável, Verdão e Tigre não despontam como favoritos na futura final
No ‘novo normal’, Chapecoense e Criciúma é duelo de azarões
Foto: Márcio Cunha/ACF
Por Eduardo Madeira Em 01/08/2020 às 14:20

Esse período de pandemia fez tornar rotineiro falar e ouvir o termo “novo normal”. É o uso de máscara ao sair de casa, o cumprimento com soquinho, as constantes práticas de higiene… Muita coisa virou novidade na vida de todos. Traduzindo o termo pro futebol catarinense, podemos dizer que no “novo normal”, Chapecoense e Criciúma, duelo válido pela semifinal do Estadual, é um jogo dos azarões.

Se voltarmos pro começo do ano, nenhum dos dois times poderia ser colocado entre os favoritos ao título e ambos viviam momentos bem semelhantes. Os dois caíram de divisão, reformularam seus elencos e tratavam o Campeonato Catarinense como laboratório para o Brasileirão - Série C para o Tigre, e B para a Chape. Para completar, os dois clubes passavam por graves problemas internos, com mudanças na presidência, inclusive.

Dentro de campo, muita semelhança também. Enquanto Criciúma tem ano irregular, com muitos tropeços, poucas vitórias e um desempenho longe de convencer, a Chapecoense conviveu com o fantasma do rebaixamento, mexeu na comissão técnica e só conseguiu a classificação na rodada final - beneficiada por um regulamento bem, digamos, gentil com quem larga mal. 

Os dois times também possuem ataques de poucos gols, com média baixa. O Criciúma fez 10 em 11 jogos, não tem nem média de um por jogo, enquanto a Chape foi às redes exatamente 11 vezes. Aliás, o quesito ataque é curioso se observarmos o outro lado da chave, que terá o duelo entre Brusque e Juventus. Desse jogo que, teoricamente, era para ser o menos interessante, estão os dois times com mais gols marcados no Estadual: 16 e 15, respectivamente. De um lado, Edu, o artilheiro com 7, do outro Marllon, o vice com 5.

Com um cenário tão bem desenhado como esse, é preciso apontar logo que o favorito ao título não sairá do lado onde estão os multicampeões do Oeste e do Sul. No “novo normal” do futebol catarinense, o encontro entre Criciúma e Chapecoense, que já se enfrentaram algumas vezes em decisões passadas, hoje é um duelo de azarões.