InternetData CenterAssinante

Brasil fora do eixo da nova política externa dos EUA

Presidente dos EUA estabelece novos caminhos da diplomacia norte-americana
Por André Abreu Em 05/02/2021 às 10:33

O Presidente Biden fez um discurso-chave no Departamento de Estado, responsável pelas relações internacionais dos EUA. 

Os países citados nominalmente como aliados são Austrália, Canadá, México, Coreia do Sul, Reino Unido, França, Alemanha e a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte, responsável por conter o avanço russo sobre a Europa). Foi com estes líderes que Biden manteve contato nas duas primeiras semanas do seu mandato e é por aí que a política externa dos EUA deve basear suas ações e fortalecer seus relacionamentos.

Rússia

Biden destacou que os EUA se posicionam contra as ações agressivas do páis e criticou a aproximação do governo Trump com Putin. Criticiou a prisão do rival político Alexei Navalny. Estabele assim um governo de defesa dos direitos humanos.

China

Os EUA se posicionam contra a China nas questões sobre democracia, direitos humanos e respeito aos direitos autorais (propriedade intelectual).

Acordo de Paris e Brasil

Retorno ao Acordo Climático de Paris fortalecendo a pauta do meio-ambiente.  A questão da Amazônia, ainda que não citada, deve afastar EUA e Brasil. Não mencionar o Brasil entre a lista de países aliados e amigos é o sinal de uma frieza inicial nas relações entre os dois países.

Intervenções diplomáticas

 O conflito no Iêmen é uma pauta prioritária do governo Biden. Trump favorecia o atual governo do país com apoio militar, que ajudava a combater a minoria huti. Biden cancela todo apoio militar ao Iêmen.  O atual presidente do Iêmen comanda o país do exílio na Arábia Saudita. 

A  Arábia Saudita diz que o Irã está apoiando os hutis com armas e suporte logístico.

O governo Biden tem agora um enviado especial com ampla experiência para obter um cessar-fogo inicial para começo das negociações entre os dois grupos rivais (governo do Iêmen e minoria huti e forças militares do Irã contra Arábia Saudita). 

O golpe militar, golpe de Estado em Mianmar, com políticos eleitos presos, é condenado pelos EUA. 

Irã

Apoio à Arábia Saudita para defender sua integridade territorial contra o Irã.

Fim da proibição de entrada de viajantes de países muçulmanos nos EUA

Através de um decreto presidencial, a proibição, assinada por Trump no início do mandato, foi cancelada. Cidadãos de Chad, Irã, Líbia, Coreia do Norte, Somália, Sudão, Síria, e Iêmen eram proibidos de entrar nos EUA.