InternetData CenterAssinante

Reino Unido e Suíça em corrida para produzir vacina em tempo recorde

Especialistas da Universidade de Oxford trabalham no desenvolvimento de uma nova vacina
Por André Abreu Em 22/04/2020 às 08:53 - Atualizado há 2 meses

As primeiras doses de uma vacina experimental contra o coronavírus serão dadas a voluntários humanos na quinta-feira, revelou o governo do Reino Unido.

O secretário de Saúde britânico Matt Hancock disse que uma vacina potencial que foi desenvolvido pela Universidade de Oxford começará a ser testado nesta semana.

Falando na coletiva de imprensa de Downing Street nesta noite, Hancock disse: "Posso anunciar que a vacina do projeto de Oxford será testada em pessoas a partir desta quinta-feira", disse ele.

"Em tempos normais, chegar a esse estágio levaria anos e estou muito orgulhoso do trabalho realizado até agora. Ao mesmo tempo, investiremos na capacidade de fabricação, para que, se qualquer uma dessas vacinas funcione com segurança, possamos disponibilizá-la ao povo britânico o mais rápido possível," completou o secretário. 

Ele também disse que o processo para encontrar uma vacina levaria "tentativa e erro", mas ele disse aos cientistas do Reino Unido que lideravam a busca que "os apoiaria e forneceria todos os recursos necessários" para ter sucesso.

A Professora Sarah Gilbert, que coordena a equipe de especialistas da Universidade de Oxford, disse na semana passada que acredita que uma vacina poderia estar disponível para uso do público antes do final do ano. 

Na Suíça uma equipe de pesquisadores da Universidade de Berna espera ser a primeira a produzir uma vacina contra a Covid-19 e a inocular toda a população suíça em outubro.

"Temos uma chance realista de sucesso", disse Martin Bachmann, diretor do departamento de imunologia da universidade suíça, através de uma conferência na internet com a ACANU, a associação de imprensa das Nações Unidas. "A Suíça tem uma história de pragmatismo e está mais interessada em encontrar um compromisso para obter a vacina mais rapidamente". 

Bachmann, que também é professor de vacinologia no Instituto Jenner da Universidade de Oxford, disse que essa sua projeção adiantada pode ser em parte justificada pela potencial facilidade de produção, onde o equivalente a 200 litros de bio fermento bacteriano, que é necessário para as injeções, poderia produzir de 10 a 20 milhões de doses.

"A vacina é única por causa da enorme escalabilidade. Ela tem a capacidade de produzir bilhões de doses em um curto espaço de tempo", disse Bachmann.

A vacina em desenvolvimento pela equipe suíça tem uma abordagem diferente dos outros laboratórios, utilizando as chamadas partículas semelhantes ao vírus, que não são infecciosas - ao contrário de quando se utiliza o próprio vírus - e que proporcionam uma boa resposta imunológica. Um protótipo foi desenvolvido em fevereiro, apenas semanas após a identificação do novo coronavírus na China, e teve sucesso nos testes em ratos de laboratório, quando o soro neutralizou o vírus.

Desde o início do surto do coronavírus e sua designação pela Organização Mundial de Saúde como Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) no final de janeiro, a maioria dos especialistas e autoridades de saúde internacionais alertam que uma vacina dificilmente estará disponível em menos de um ano ou 18 meses - no mínimo.