InternetData CenterAssinante

Itália tem queda em número de mortes e em pacientes na UTI

Número total de mortes passou 17 mil
Itália tem queda em número de mortes e em pacientes na UTI
Foto: Milano Today
Por André Abreu Em 07/04/2020 às 15:05 - Atualizado há 1 mês

A Itália ultrapassou a barreira dos 17 mil mortos por conta do coronavírus (Sars-CoV-2) nas últimas 24 horas, com a confirmação de 604 novas vítimas no país, informou a Agência de Proteção Civil nesta terça-feira (07).

No entanto, o número é menor do que o registrado na segunda-feira (06), quando 636 faleceram, conforme informações da Agência ANSA.

O número de pacientes com coronavírus em terapia intensiva caiu pelo quarto dia consecutivo na Itália.

O balanço diário da Proteção Civil indica que a península registrou 17.127 mortes de um total de 135.586 casos com mais 3.939 em 24 horas, desde o início da pandemia.

Atualmente, existem 3.792 internados em terapia intensiva (menos 106 em 24 horas) e o aumento de infecções caiu para mais 2,3%.

Esses números não impediram as autoridades de lançar novos pedidos de cautela e respeito às regras de confinamento.

"Cuidado com ilusões de ótica, com ilusões perigosas, estamos longe da saída da crise, de uma hipotética hora H que nos levará de volta à situação anterior", alertou nesta terça-feira (7) o comissário extraordinário do governo italiano para o coronavírus , Domenico Arcuri, em coletiva de imprensa.

Ele alertou contra um "otimismo excessivo", mesmo que "o balanço contenha dados que mostrem uma primeira reversão parcial da tendência. Após semanas difíceis de sacrifícios, é sem dúvida um fôlego extra ", acrescentou ele.

Quanto ao uso de máscaras, "acho que por muito tempo muitos de nós, se não todos, precisaremos nos acostumar a usar esse instrumento de proteção", enfatizou.

"Teremos que nos acostumar a considerar as máscaras como um dispositivo útil, até necessário", insistiu.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte se reuniu nesta terça-feira com membros do comitê técnico-científico encarregado de assessorar a luta contra a epidemia de COVID-19.

Os italianos devem permanecer confinados até pelo menos 13 de abril e só podem sair para atividades indispensáveis, motivos de saúde ou de trabalho.

A atividade econômica foi reduzida a setores essenciais, como agricultura, indústria farmacêutica ou produção de energia.

Essas medidas serão eventualmente prolongadas, algo que a princípio parece provável, ou progressivamente reduzidas com base nas opiniões desse comitê.

Saiba como foi o balanço da Agência de Proteção Civil na segunda-feira

As mortes pela epidemia de Covid-19 na Itália aumentaram em 636 na segunda-feira, o que representa mais de 100 óbitos acima da contagem diária da véspera de 525, informou a Agência de Proteção Civil, mas o número de novos casos caiu acentuadamente.

O número total de mortos no país desde o início do surto em 21 de fevereiro chegou a 16.523, o mais alto do mundo.

O número total de casos confirmados aumentou em 3.599, para 132.547, o menor aumento diário desde 17 de março, ressaltando as esperanças de que a doença possa estar recuando, graças a uma quarentena nacional introduzida em 9 de março.

Antes desta segunda-feira, todos os aumentos diários de casos desde 17 de março estavam entre 4.050 a 6.557.

Dos infectados originalmente, 22.837 foram declarados recuperados nesta segunda-feira, contra 21.815 no dia anterior. Havia 3.898 pessoas em terapia intensiva, uma queda de 79 em relação a domingo - um terceiro declínio diário seguido.