Cinema

Crítica

Bright vale a pena ser assistido se você busca algo novo

Filme foi lançado pela Netflix

07
JAN
2018
| 17h05
17h05
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Especial - Felipe Rodrigues

A mais nova produção da Netflix vem chamando muita atenção, inclusive atingindo altos indices de audiência na plataforma, e merece toda essa atenção mesmo. O longa Bright nos apresenta uma trama policial ambientada em um mundo místico. Isso mesmo, uma mistura improvável, mas muito interessante.

Acompanhamos os policiais Scott Ward (Will Smith) e Nick Jacoby (Joel Edgerton). Nick é o primeiro policial Orc em uma Los Angeles corrompida pelo crime. Bright segue o estilo de filmes que abordam o gênero policial, com um cenário mais urbano e "pé no chão". Ainda assim, a produção conta com o diferencial do mundo que criaram, com humanos, elfos e orcs vivendo em uma sociedade.

Com magia e tudo mais, torna-se uma premissa bem interessante. De longe esta é a produção mais ousada da Netflix até o momento,apesar de termos criaturas mágicas temos também problemas reais, como preconceito sobre uma determinada cascata dessa população.

A fotografia mais escura e suja ajuda a tornar as coisas mais reais, aumentando a imersão do telespectador. O filme apresenta cenas de ação bem trabalhadas, um pouco escuras mas sem fugir muito da realidade, o que torna tudo ainda mais interessante. Outro destaque fica para a dupla Will Smith e Joel Edgerton, que interpretam muito bem seus personagens, seja Ward como o policial estressado e grosseiro ou Nick como o novato que é oprimido por todo mundo devido à sua raça.

Um ponto muito forte do filme, e tavez o que mais chame a atenção, é sua mensagem contra  o racismo, dizendo que não devemos julgar alguém pela sua raça mas sim pelas suas ações.

Como nenhum filme é perfeito, tirando a dupla principal os outros personagens são rasos e pouco aproveitados. O longa também escorrega um pouco em desenvolver esse universo criado, mas não é nada que atrapalhe o desenrolar da trama, ou que torne o filme enjoativo. Do contrário, o longa consegue nos prender na frente da tela, apresentando personagens novos ou com as próprias cenas de tiroteios ou perseguições.

Talvez em uma sequência possam corrigir esse erro e desenvolver mais esse interessante universo criado, mas consciderando o tempo de tela é compreensivel essa leve escorregada. Pela quantidade de personagens e conceitos interessantes que apresentaram, é realmente um filme que vale a pena ser assistido se você está em busca de algo novo.

Leia mais sobre: netflix, bright
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Galeria de fotos: mande a sua foto no clima da Copa do MundoEscolha da corte da 18ª Festa do Vinho ocorre nesta sexta-feiraGrupo de mulheres da Serra da Pedra aprende a fazer doces e geléiasUPA da Próspera começa a atender dia 1 de julhoSão Joaquim volta a ter geada e congelamentoDois veículos colidem em Criciúma