Cinema

Crítica

Thor Ragnarok: a evolução do deus do trovão nas telonas

08
NOV
2017
| 18h04
18h04
Redação Engeplus
Jornalista | Portal Engeplus
Escreva para a redação referente a esta matéria
Enviar mensagem

Este contato será envido de modo restrito para o jornalista.
Contribua com a matéria
Dúvidas, sugestões ou contribuições

Especial - Felipe Rodrigues

Thor é um personagem muito interessante e cativante, mas que ainda não tinha ganhado seu merecido destaque. Verdade seja dita, seus filmes anteriores não são ruins mas também não chamam muito a atenção. Foram roteiros sérios e sem rumo, que fizeram o protagonista amadurecer e depois voltar ao inicio como se nada tivesse ocorrido.

Com Thor Ragnarok, o deus finalmente ganhou um filme a sua altura, com um roteiro bem atípico e muito divertido. O filme serviu não apenas para somar ao universo cinematográfico da Marvel como um dos gatilhos para Guerra Infinita - filme muito esperado pelos fãs -, mas também foi pensado para trazer mais fãs da franquia.

O que mais chamou a atenção do público e crítica foi a mudança na fórmula da história do nórdico. Os dois primeiros filmes deste personagem se mostraram um tanto fracos: o primeiro apresentou Thor e já o juntou com Vingadores; o segundo apresentou uma das Jóias do Infinito, item que será muito importante nos próximos filmes.

Boa parte da atuação do filme foi improvisada. É possível perceber a empolgação dos atores, fazendo piada de quase tudo e trazendo diálogos e cenas de ação inusitadas. Cheio de referências aos quadrinhos tanto de Thor Ragnarok como de Planeta Hulk (história muito aclamada dos fãs de Golias Esmeralda).

Não pense. no entanto, que o filme foi feito apenas para os fãs de longa data e leitores de quadrinhos. Qualquer um pode assistir e se divertir. Logo no início temos um breve resumo dos filmes anteriores, feito pelo próprio protagonista.

O que antes foi falho, agora está devidamente acertado, seja na evolução do protagonista se preparando para um reinado, ou na história de Loki. O filme trouxe, ainda, novos personagens muito cativantes, seja Valquíria com bastante tempo de tela ou até mesmo Korg, um ser com uma aparência intimidadora porém hilário, sempre fazendo comentários óbvios e muito engraçados.

'

O deus evolui muito nesse longa. Thor Ragnarok tem um final intrigante, que abriu várias pontas para os futuros filmes, para o destino do povo de Asgard, ou até mesmo para a própria Guerra Infinita.

Leia mais sobre: cinema, crítica, thor ragnarok
Fala Leitor
Se você possui uma sugestão de pauta, artigo ou um fato que deseja noticiar, entre em contato conosco pelo Fala Leitor.
imagens recentes no Portal
Doar esmola prejudica quem a recebe'É a primeira vez que assumo uma fria dessa', brinca Celito CardosoVÍDEO: Baixa Terapia comemora sucesso de vendas e anuncia sessão extraEmoção marca evento da Casa GuidoEstudantes do IFSC Criciúma se preparam para competição no CanadáEleições para a Câmara Mirim iniciam a todo vapor